28 de jan. de 2020


Em 1989 o canal Trinity Broadcasting Network (uma rede de rádio de televisão cristã com sede no sul da Califórnia), recolhendo a sua vez uma história publicada pela revista científica finlandesa "Ammenusastia" e o jornal "Etela Soumen", publicou uma noticia inquietante.
Um grupo de científicos da Sibéria, dirigidos por um doutor de sobrenome Azzacov, escavando um buraco de uns 14.4 de largura na península de Kola, encontraram uma enorme cavidade subterrânea. Eles ficaram intrigados por esse inesperado descobrimento, os científicos fizeram descer um microfone extremadamente resistente ao calor junto com outros dispositivos sensoriais dentro do poço.


O que o microfone captou na cavidade antes de estragar por causa do intenso calor ( uns 1000 graus celsius) foram assustador 17 segundos de sons presumidamente lamentos, choros, súplicas, e gritos de dores de seres humanos que vinha do interior da terra.
O Doutor Azzacov havia informado que nessa cavidade "a temperatura alcançava até os 1.000 graus centigrados, o que era mais d que nós esperávamos.
Parece mais com um inferno em chamas que se encontra no centro da terra.

sons-do-inferno-na-russia



O último descobrimento foi, no entanto, o que mais nos comoveu, tanto assim que vários científicos tiveram medo de continuar com o projeto. Tratamos de escutar os movimento a certos intervalo com uns microfones ultra sensitivos, os quais deixamos de entrar no buraco. 

O que estamos converteu nossa lógica científica em ruínas. Eram, em momentos, uns sons fraco, mais depois, ficaram altos em frequência, no qual pensamos que vinha do nosso próprio equipamento. Mais depois de alguns ajustes, compreendemos que na verdade o som vinha do interior da terra.


Apenas podemos acreditar no que nossos ouvidos escutavam.
Escutamos vozes humanas, gritando com grande dor. Apesar de que uma voz era perceptível, podemos escutar milhares, talvez milhões de almas gritando em sofrimento. 

Depois do impactante descobrimento, a metade dos assustados científicos decidiram renunciar o projeto, embora posteriormente tinha ocorridos outros fatos semelhante assustador. 

A mesma noite em que foi gravado as vozes, apareceu um gás luminoso que disparou desde o centro da terra, em meio de uma coluna de fumaça incandescente. E do buraco que havia feito, emergiu um ser com asas de morcego, que gritou em idioma russo: "Eu ganhei", mais depois se perder no escuro do céu da Sibéria.

encontraram-o-inferno


 O doutor Azzacov explicou que, "como comunista, não acredito no céu nem na Bíblia, mais como científico agora acredito no inferno. É desnecessário dizer que foi algo impactante ao ver feito esse descobrimento. Mais sabemos o que vimos e o que escutamos. E agora estamos convencidos que nós perfuramos as portas do inferno!. "Esperamos que o que está ali abaixo, ali fique".

A misteriosa noticia do "Poço do inferno" se estendeu aos jornais do mundo inteiro e logo começaram a aparecer gravações dos supostos "gritos dos condenados" em vários sites da internet.
A história chegou então até ao canal religioso TBN, que afirmava que era uma "prova" da existência literal do inferno como ensina a Bíblia.


Dr-Azzacove


É um poço de 12.262 metros, que foi escavado entre (maio de 1970 até 1992) ao noroeste da ex União Soviética, a uns dez quilômetros da cidade de Zapolyarny, no marco do SG-3, um projeto de prospecção científica do governo soviético da época para aprofundar a crosta terrestre e investigar a litosfera.
Os científico havia conseguido penetrar com maquinas através de um terço da crosta continental báltica, cuja grossura se calcula em 35 quilômetros, expondo a luz rochas de 2.700 milhões de anos de antiguidade existentes no fundo, e outros descobrimento inesperados, com uma grande quantidade de hidrogênio misturado com a lama que fluía do buraco. O projeto originalmente pretendia chegar aos 15 km de profundidade para analisar a natureza da crosta terrestre, mais os trabalhos pararam devido a alta temperatura do fundo do poço era maios que a estimada (180° em vez dos 100° que se esperavam.


























Com a Informação uubr.

0 Comentários :

Postar um comentário