Cientistas criam os primeiros robôs vivos e auto-reparadores do mundo. | Resumo.

Um Xenobot com membros posteriores grandes e membros anteriores menores.


Cientistas criam os primeiros robôs vivos e auto-reparadores do mundo.


Chamados de Xenobots devido ao sapo africano (Xenopus laevis) do qual eles tiram suas células-tronco, as máquinas têm menos de um milímetro de largura – – pequeno o suficiente para viajar dentro de corpos humanos.
Eles podem caminhar e nadar, sobreviver por semanas sem comida e trabalhar em grupos. Essas são ‘formas de vida inteiramente novas’, disse a Universidade de Vermont, que conduziu a pesquisa com a Universidade Tufts.
As células-tronco são células não especializadas que têm a capacidade de se transformar em diferentes tipos de células. Os pesquisadores coletaram células-tronco vivas de embriões de sapos e as deixaram para incubar. Então, as células foram cortadas e remodeladas em ‘formas corporais’ específicas, projetadas por um supercomputador – são formas “nunca vistas na natureza”, segundo um comunicado da Universidade de Vermont.
As células começaram a trabalhar por conta própria – células da pele unidas para formar a estrutura, enquanto as células musculares cardíacas pulsantes permitiam que o robô se movesse por conta própria. Os Xenobots têm até capacidade de auto-recuperação; quando os cientistas cortaram um robô, ele se curou sozinho e continuou em movimento.
Joshua Bongard, um dos principais pesquisadores da Universidade de Vermont, informou no comunicado de imprensa:
São novas máquinas vivas. Elas não são um robô tradicional, nem uma espécie conhecida de animal. É uma nova classe de artefato: um organismo vivo e programável.
Os Xenobots não se parecem com robôs tradicionais – eles não têm engrenagens brilhantes ou braços robóticos. Em vez disso, eles se parecem mais com uma minúscula bolha de carne rosa em movimento. Os pesquisadores dizem que isso é deliberado – essa ‘máquina biológica’ pode conseguir coisas que os robôs típicos de aço e plástico não conseguem.
Alguns Xenobots tinham buracos no centro – que poderiam ser usados ​​para transportar drogas ou medicamentos.

Os robôs tradicionais “degradam-se com o tempo e podem produzir efeitos colaterais ecológicos e de saúde prejudiciais”, disseram os pesquisadores no estudo, publicado na segunda-feira no Proceedings of the National Academy of Sciences. Como máquinas biológicas, os Xenobots são mais amigos do ambiente e mais seguros para a saúde humana, segundo o estudo.
Os Xenobots poderiam potencialmente ser usados ​​para uma série de tarefas, de acordo com o estudo, que foi parcialmente financiado pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa, uma agência federal (EUA) que supervisiona o desenvolvimento de tecnologia para uso militar. Os Xenobots podem ser usados ​​para limpar resíduos radioativos, coletar microplásticos nos oceanos, transportar remédios para dentro de corpos humanos ou até mesmo viajar para nossas artérias para remover a placa. Eles podem sobreviver em ambientes aquosos sem nutrientes adicionais por dias ou semanas – tornando-os adequados para a administração interna de medicamentos. Além dessas tarefas práticas imediatas, os Xenobots também podem ajudar os pesquisadores a aprender mais sobre biologia celular – abrindo as portas para o futuro avanço na saúde e longevidade humanas.
O site dos pesquisadores informou:
Se pudéssemos criar a forma biológica 3D sob demanda, poderíamos reparar defeitos de nascimento, reprogramar tumores em tecidos normais, regenerar após lesões traumáticas ou doenças degenerativas e derrotar o envelhecimento.
Esta pesquisa pode ter ‘m enorme impacto na medicina regenerativa (construção de partes do corpo e indução da regeneração.
Tudo pode parecer algo de um filme de ficção científica distópico, mas os pesquisadores dizem que não há necessidade de alarme. Os organismos vêm pré-carregados com sua própria fonte alimentar de depósitos de lipídios e proteínas, permitindo que eles vivam por pouco mais de uma semana – mas eles não podem se reproduzir ou evoluir. No entanto, sua vida útil pode aumentar para várias semanas em ambientes ricos em nutrientes. E embora o supercomputador – uma poderosa peça de inteligência artificial (IA) – tenha um grande papel na construção desses robôs, é “improvável que a IA possa ter más intenções”.
O site informou:
No momento, é difícil ver como uma IA pode criar organismos prejudiciais mais facilmente do que um biólogo talentoso com más intenções.


























Com a Informção Ovni Hoje.
 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });