9 de jan. de 2020


A história da Medusa,cujo nome significa "guardião" e talvez "protetor",é um dos mais poderosos mitos gregos da antiguidade;talvez porque reúna todos os ingredientes da tragédia,neste caso,uma tragédia imerecida e manchada de opróbrio.

Todos conhecemos a imagem aterradora de Medusa,o que os gregos chamavam de gorgoneão:uma mulher diabólica com cobras em vez de cabelo,cuja maldição transforma qualquer um que a olha em pedra. No entanto,a verdadeira história da Medusa,ou melhor,do passado que eventualmente a transformou nessa assustadora senhora,talvez pudesse mudar a ideia que temos dela.

Medusa era uma das três filhas górgonas de Forcis e Keto,e às vezes de tufão e equidna. Ele teve duas irmãs,Euríale e Esteno. Todos os três eram parentes das Grayas,aquelas velhas que compartilhavam um único olho e um único dente. 

Enquanto as representações mais antigas de Medusa a mostravam como uma criatura monstruosa, filha de enormes forças tectônicas,seu passado mítico conta uma história diferente. Os poetas a retratam de maneira ambígua,bonita e ao mesmo tempo assustadora. No quinto século a.C. Píndaro elogia sua beleza,e Ovídio,muito mais tarde,nos conta que Medusa era uma linda garota que trabalhava no templo de Atena.

Dizem que sua beleza cativou homens e deuses;até o volátil Poseidon,o Senhor dos mares,que a amava à força no mármore frio do templo. Atena,furiosa com essa profanação,transformou seu cabelo em uma meada de cobras,talvez para simbolizar aquele ato bestial e voluptuoso no qual a pobre Medusa não tinha responsabilidade,já que Poseidon a havia tomado à força.

Amaldiçoado pelos deuses,odiado pelos homens,esquecido pelos Moiras,os tecelões do destino;a inocente Medusa foi enviada ao exílio na forma de uma criatura horrenda. Na escuridão de seu labirinto,decorado com estátuas formadas com os corpos dos desavisados ​​que ousavam olhá-la,Medusa os odiava a todos com ódio perfeito e legítimo.

Assim,o herói Perseu,protegido pela ciumenta Atena,chegou ao reino de Medusa. A versão cinematográfica argumenta que o herói usou o reflexo de seu escudo para não olhar diretamente para ele,e assim matá-la sem ser reduzido a uma mera estátua. No entanto,o antigo mito é menos benevolente com Perseu. Lá é dito que o herói a encontrou dormindo,e que ele a decapitou em flagrante,sem mediar palavras ou queixas. Apenas a Atena vingativa sabia que Medusa estava grávida de Poseidon,e é por isso que ela secretamente guiou a mão do guerreiro para que sua investida fosse perfeita.

Do sangue derramado surgiu um formidável cavalo,chamado Pégaso,cujas asas lhe permitiam correr rapidamente sobre as nuvens.Perseu levou a cabeça de Medusa ao rei Polideto. Com ela,ele conseguiu resgatar Andromeda das mandíbulas do gigante Criasor.

Agora,é legítimo afirmar que o mito da Medusa,seja qual for sua versão,é posterior ao símbolo que representa. Sua força está claramente na cabeça,mas só adquire poder após a maldição de Atena;o que nos leva a nos perguntar se,na verdade,era uma maldição ou um presente para que a Medusa pudesse se vingar dos homens,representados no abusivo Poseidon.

Mas vamos ainda mais longe. A cabeça da Medusa é mais antiga que a própria Medusa. Ou seja, o símbolo da gorgoneão era originalmente uma máscara ritual. Todo o resto, o corpo da Medusa, sua trágica história, sua vingança e sua morte correspondem ao mito já estabelecido,que talvez tenha esquecido ou abrandado aquela máscara cult cujo verdadeiro significado nos escapa.

Uma das evidências mais conclusivas dessa hipótese é fornecida pelo próprio Homero na Odisséia,quando Ulysses menciona uma "cabeça medonha",mas nunca esclarece que aquela cabeça tem um corpo,isto é,que não é autônoma,muito menos que o corpo. Segurá-lo corresponde a uma mulher chamada Medusa.Se a cabeça da Medusa é mais importante do que a própria Medusa,é justo que digamos algo sobre o seu destino.

Ovídio comenta que Perseu passou pelo norte da África e,graças a ele,transformou Atlas em pedra,aquele titã encarregado de manter o cofre celestial. De lá,o herói foi para a ilha de sua mãe,Dánae, que também o gerou através de um truque de Zeuz,camuflado em uma fina chuva de ouro,para alguns, a metáfora de uma "coima". Danae estava prestes a se casar com o rei. Perseu entrou na corte,avisou a mãe para cobrir os olhos e extraiu a horrível cabeça de Medusa.
No final de suas aventuras,Perseu entregou a cabeça de Medusa ao seu patrocinador,Atena,que a colocou em seu escudo.

Para aqueles interessados ​​em um estudo psicológico do mito da Medusa,recomendamos um ensaio de Sigmund Freud, publicado postumamente em 1940, chamado: Das Medusenhaupt,"o chefe da Medusa". Ali é proposta a origem do talismã da gorgoneion,algo como um amuleto que representa o ato de castração,associado na mente da criança com a descoberta surpreendente da sexualidade da mãe.










Com a Informação Tribo Gótico.

0 Comentários :

Postar um comentário