Cientistas admitem: cobras já tiveram pernas, conforme a bíblia descreve em Gênesis. | Resumo.


Os paleontologistas da Argentina pegaram suas Bíblias depois de encontrar fósseis de cobras com patas traseiras. 

O relatório publicado na revista Science Advances estima os fósseis encontrados na província de Rio Negro, na Patagônia em 2013. Acredita-se que o fóssil tenha 95 milhões de anos. A nova descoberta foi nomeada apropriadamente najash rionegrina. O termo najash é baseado na palavra hebraica נחש (nachash, cobra). 
Os cientistas basearam sua teoria em fragmentos de um crânio quase completo, o que indicava que eles eram muito semelhantes aos lagartos. Sua anatomia compartilhada levou os cientistas a concluir que as cobras evoluíram dos lagartos. Teorias anteriores sustentavam que as cobras evoluíram de pequenos lagartos escavadores semelhantes a vermes com quatro patas. Nenhum fóssil jamais foi encontrado para corroborar essa teoria. 
Uma teoria sugeria que os fósseis de duas pernas representavam um estágio temporário no qual as cobras transitaram de quatro pernas para nenhuma, mas os pesquisadores concluíram que o estágio de duas pernas durava dezenas de milhões de anos.  
Embora alguns lagartos não tenham pernas, a nova descoberta é de um crânio com uma boca grande e dentes afiados que é totalmente diferente do que o dos lagartos. O crânio também tinha articulações móveis para a mandíbula, como as cobras modernas. As najash provavelmente se alimentavam de presas grandes e tinham tamanho semelhante aos lagartos de cabeça grande e corpo grande, como o dragão de Komodo.
“As cobras são famosas sem pernas, mas também muitos lagartos. O que realmente diferencia as cobras é o crânio altamente móvel, que lhes permite engolir grandes presas”, disse o Dr. Alessandro Palci, da Universidade Flinders, na Austrália, ao The Daily Mail“Há muito tempo, faltam informações detalhadas sobre a transição do crânio relativamente rígido de um lagarto para o crânio super flexível de cobras”.
Os pesquisadores dizem que Najash tem o crânio mais completo e tridimensionalmente preservado de qualquer cobra antiga já encontrada.
“Ele possui algumas, mas nem todas as articulações flexíveis encontradas no crânio das cobras modernas. Seu ouvido médio é intermediário entre o de lagartos e cobras vivas, e ao contrário de todas as cobras vivas, ele mantém uma bochecha bem desenvolvida, que lembra novamente a dos lagartos”, disse o Dr. Palci.
A nova descoberta é consistente com a história de Gênesis, que afirma que a cobra foi punida por Eva tentadora.
Então Hashem disse à serpente: “Porque você fez isso, Mais amaldiçoado você será do que todo gado e todos os animais selvagens: em sua barriga você rastejará e sujeira você comerá todos os dias da sua vida. Gênesis 3:14
Como a punição deveria engatinhar, supõe-se que, antes da punição, a cobra não engatinhava e pode ter pernas.
Na gematria (numerologia hebraica) nachash (cobra) נחש é igual a 358, o mesmo que Mashiach (Messias) משיח. O Zohar (a base do misticismo judaico) explicou que a inclinação do mal, personificada pela cobra no Éden, ressurgirá nos dias anteriores ao Messias, tentada a vir e beber alimento dos enormes níveis de santidade que aparecerão no mundo no final dos dias.
Outra conexão entre a serpente humilde e a santidade está implícita nas palavras hebraicas. As letras da palavra נחש (nachash; cobra) podem ser reorganizadas para soletrar חושן (choshen; peitoral), usada pelo sumo sacerdote no templo. O Zohar afirma que o tikkun (fixação) do pecado da cobra no Jardim do Éden seria realizado no Terceiro Templo por meio do peitoral. Talvez, após a construção do Terceiro Templo, as cobras voltem a andar sobre as pernas.
Mas o aspecto mais notável e não semelhante a cobra da nova descoberta foi um sacro bem definido que suporta uma pélvis e as patas traseiras funcionais fora de sua caixa torácica. Outra teoria sustentava que as cobras se desenvolviam como répteis marinhos, perdendo as pernas nos oceanos, evoluindo de lagartos marinhos agora extintos chamados mosassauros. Embora algumas espécies de cobras marinhas ainda tenham pernas vestigiais, o najash era decididamente um morador do deserto. 
“Essa cobra é uma adição importante porque é a primeira cobra com sacro. Isso representa uma morfologia intermediária que nunca foi vista antes”, diz Hussam Zaher, curador de herpetologia da Universidade de São Paulo, no Brasil, e parte da equipe de pesquisa à New Scientist.
“’Snakeness’ é realmente velho, e é provavelmente por isso que não temos representantes vivos de cobras de quatro patas, como todos os outros lagartos”, Michael Caldwell, paleontologista de vertebrados da Universidade de Alberta e co-co- autor do estudo, explicado ao New York Times.
“As cobras provavelmente foram um dos primeiros grupos de lagartos a começar a experimentar a limblessness, mas o que é realmente intrigante é que elas também estavam mostrando claramente as características de seus crânios, que são sua especialização”, acrescentou. 








Com a Informação Israel Breaking News.
 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });