novembro 22, 2019
0

Arthur John Shawcross, nascido em 6 de junho de 1945 e falecido em 10 de novembro de 2008, foi um serial killer Americano também conhecido como "O assassino do rio Genesse", que fica em Rochester, NY. Ele nasceu em Kittery, Maine, mas sua família mudou para Watertown em NY quando ele era jovem. Quando criança ele era socialmente estranho e raramente aceito por seus colegas, que frequentemente o chamavam de "estranho". Quando jovem ele foi testado, tinha um QI super baixo, sofria de bullying, urinava na cama e sofria violência física. Ele largou a escola na nona serie, e quando tinha 19 anos se alistou ao exercito. Lutou no Vietnam onde ele mais tarde disse que matou e canibalizou 2 jovens meninas vietnamitas, embora não existam evidencias. De volta a vida de Civil, morando em Watertown novamente, Shawcross se casou 4 vezes, mas suas mulheres sempre o deixaram após um tempo curto por ele ser violento e por ele ter comportamento errante. Foi lá, em Maio de 1972, que ele estuprou e matou um menino de 10 anos de idade chamado Jack Owen Blake após atrair o menino para a floresta. Quatro Meses depois, ele estuprou e matou uma menina de 8 anos Karen Ann Hill, que estava visitando Watertown com sua mãe no fim de semana do feriado do "dia do trabalho". Preso por esses crimes, Shawcross confessou ambos mas mais tarde conseguiu obter uma apelação por barganhar os promotores. Ele se declararia culpado somente pela morte de Karen Ann Hill numa acusação de homicídio não premeditado, ao invés de premeditado, e eles não o acusariam pela morte de Jack Blake. Com pouca evidência para acusá-lo os promotores concordaram, mesmo assim ele foi condenado pela confissão que deu antes e pelos dois assassinatos pegou 25 anos. Shawcross cumpriu 15 anos antes de sair em condicional em Março de 1987. Ele tinha dificuldade em se instalar por ter sido preso, despejado de casa e despedido de empregos assim que os vizinhos e empregadores descobriram sobre a sua ficha criminal. Durante um período ele se viveu em Rochester, NY , e morou com uma mulher. Em Março de 1988, Shawcross começou a assassinar prostitutas na área, fez 11 vitimas antes de ser capturado menos de 2 anos mais tarde. Suas vitimas foram: Patricia Ives, 25 anos; Frances Brown, 22 anos;  June Cicero, 34 anos;  Darlene Trippi, 32 anos; Anna Marie Steffen, 28 anos; Dorothy Blackburn, 27 anos;  Kimberly Logan; June Stotts, 30 anos; Marie Welch, 22 anos;  Elizabeth Gibson e  Dorothy Keller, 59 anos. Elas geralmente eram estranguladas e espancadas até a morte,  também eram mutiladas. A maioria delas foram encontradas perto do Rio Genesse. Todas as vitimas foram assassinadas em Monroe County, menos Gibson que foi em um bairro vizinho. Ele foi flagrado se masturbando em seu carro parado na ponte em cima do riacho em que se encontrava o corpo de sua vitima final. Foi levado sob custódia em 5 de Janeiro de 1990 e lá confessou os crimes. Em Novembro de 1990, Shawcross foi julgado por 10 assassinatos.O Julgamento foi tele-visionado e teve uma audiência muito alta. Shawcross se declarou inocente por motivo de insanidade, com o testemunho da psiquiatra Dorothy Lewis dizendo que ele tinha múltipla desordem na personalidade, causada por stress pós traumático, e possível abuso na infância. Este testemunho não ajudou e o júri o considerou culpado e em perfeita sanidade.O Juiz deu a ele a pena de 250 anos de cadeia. Alguns meses depois foi levado para Wayne County para ser julgado pelo assassinato de Gibson. Ele se declarou culpado e pegou perpétua. Passou a vida na cadeia Sullivan em Fallsburg, NY até sua morte em 10 de Novembro de 2008. Oficiais disseram que ele reclamou de dor nas pernas. Ele tinha trombose e embolisma pulmonar. Foi levado para o hospital Albany Medical Center, onde teve uma parada cardiaca e morreu as 21:50 em 10 de Novembro de 2008. Arthur Shawcross foi cremado e suas cinzas estão com a filha Margaret Deming. Ela que mantinha contato com o pai desde 2002,  o ajudou a entender a Biblia católica, segundo ela ele se converteu e disse finalmente ter encontrado algo que fizesse valer a pena viver e estava em paz consigo mesmo pela primeira vez. Em 2003 ele foi entrevistado por uma repórter Britânica, Katherine English, para um documentário sobre canibalismo. Ele se gabou sobre o fato de ter comido os órgãos genitais de três vitimas mulheres, mas se recusou a falar das alegações de que ele comeu o órgão genital do menino morto em 1972. Em 2006 ele foi entrevistado por um psiquiatra forense da Columbia University Dr. Michael Stone para a serie do Discovery Channel "INDICE DA MALDADE". Na entrevista Shawcross alegou ter sido abusado sexualmente quando criança pela mãe, e também admitiu ter abusado da irmã mais nova quando ainda criança. Ele também alegou que matou prostitutas em vingança por supostamente ter tido sexo com uma prostituta HIV positivo, (ele assumiu estar infectado). Stone concordou com o júri quanto a sua sanidade. Ele estava em sã conciência quando matava as vitimas.


O livro "The live confessions of Arthur Shawcross and his hideous crimes!" de Joel Norris se baseia nessas histórias.

0 Comentários :

Postar um comentário