outubro 06, 2019
0

Em 27 de março de 1964, o sul do Alasca foi abalado por um terremoto de magnitude 9,2, o mais forte já registrado na América do Norte. O terremoto também causou uma série de tsunamis ao longo da costa oeste do continente. Agora, um estudo publicado na  mBio argumenta que o evento também desencadeou um surto de fungo mortal ao longo da costa noroeste do Pacífico.

Desde 1999, a região tem lidado com um surto contínuo de Cryptococcus gattii, um fungo microscópico semelhante a levedura que pode causar infecções se inalado. A maioria das pessoas expostas a C. gattii não adoece, mas potencializa o risco de pneumonia, infecções de pele, meningite e nódulos nos pulmões e no cérebro. Raramente, o fungo pode ser mortal.
No total, mais de 300 casos de C. gattii foram relatados no Canadá e nos EUA. O fungo não afeta apenas seres humanos, mas também animais. O fungo também foi encontrado no solo, nas árvores e nas águas da costa noroeste do Pacífico.
Antes do surto naquele último lugar, os especialistas pensavam que C. gattii estava restrito a climas tropicais e subtropicais na América do Sul, África, Ásia e Austrália, o que levanta a questão de como ele se mudou para a América do Norte.
Ao longo dos anos, os cientistas propuseram uma série de teorias sobre os modos de dispersão do fungo, incluindo correntes oceânicas e eólicas, migrações de animais e uso de produtos agrícolas. Mas para os autores do estudo, o Grande Terremoto no Alasca, oferece uma explicação mais convincente.

Evidência circunstancial, mas convincente

Embora suas evidências sejam quase inteiramente circunstanciais, elas são bastante convincentes. Por um lado, de acordo com a análise genética, as cepas de C. gattii atualmente presentes no noroeste do Pacífico parecem ter chegado a um evento importante que ocorreu décadas antes de 1999. As primeiras investigações de surtos também encontraram níveis mais altos de fungos nas árvores e solos mais próximos do nível do mar, como se tivessem vindo originalmente do oceano.
E a prova mais convincente é que pelo menos um paciente da cidade americana de Seattle adoeceu com C. gattii em 1971, quase três décadas antes dos surtos de 1999, mas depois do tsunami.
“Talvez a coisa mais importante seja que não encontramos dados que descartem ou discordem da hipótese”, disse o principal autor do estudo, David Engelthaler, ao Gizmodo. “Segundo, não há uma boa hipótese alternativa que se encaixe em todos os dados”, concluiu.




Com a Informação RT.

0 Comentários :

Postar um comentário