O que acontece com o seu sangue quando você morre? Mistério Resumo.

 

O que acontece com o seu sangue quando você morre?

Após a morte, o corpo humano passa por uma série de transformações que o decompõem e o transformam em um amálgama de ossos. Ao longo desse processo, a condição e a localização do sangue variam, e as diferentes fases podem ajudar os profissionais forenses a determinar a hora da morte.


A menos que o corpo tenha sido escondido por um assassino astuto ou tenha morrido em um local isolado, esse processo de decomposição provavelmente é interrompido artificialmente por serviços funerários. Se o corpo for exibido no velório, ele será embalsamado e o sangue coletado para fazer com que o cadáver pareça menos perturbador para os entes queridos.

A decomposição começa quase imediatamente após a morte. Quando o coração para de bater, a circulação sanguínea para as extremidades e órgãos cessa, e a temperatura do corpo agora inerte começa a cair rapidamente.

O primeiro estágio da decomposição é chamado Pallor mortis e transforma o cadáver em uma tonalidade pálida em apenas 15 a 20 minutos. Algor mortis, o processo de resfriamento que o acompanha, também fará com que o sangue normalmente quente do corpo esfrie. O corpo esfria a uma taxa de cerca de 1,5 grau Celsius por hora, em condições normais, de acordo com a Florida State University. 

Livor mortis e o necrotério

Esse fenômeno começa a ser visível entre vinte minutos a três horas após a morte, e o sangue acumulado começa a se deslocar para as áreas mais declinantes nos capilares entre três a quatro horas após a morte, apresentando lividez máxima entre seis horas.
Esse fenômeno começa a ser visível entre vinte minutos a três horas após a morte, e o sangue acumulado começa a se deslocar para as áreas mais declinantes nos capilares entre três a quatro horas após a morte, apresentando lividez máxima entre seis horas.

Quando o sangue no corpo começa a se estabilizar, a gravidade faz com que se acumule em certas áreas, resultando em descoloração irregular da pele. Este processo é chamado livor mortis e se manifesta entre duas a quatro horas após a morte.

Os legistas que realizam autópsias costumam usar a lividez de um cadáver para determinar a hora da morte, pressionando a superfície da pele para ver se ela deixa uma marca branca. Esse chamado branqueamento parará de acontecer quando o sangue estiver completamente assentado e "fixado" na superfície.

No necrotério, se o corpo não for cremado, os agentes funerários interrompem esse processo desagradável tirando o sangue durante o embalsamamento, garantindo que o corpo não se decomponha antes do funeral. Eles fazem isso drenando o corpo e substituindo o sangue por uma solução de formaldeído. Este líquido potente irá congelar o tempo e interromper o processo de decomposição, pelo menos temporariamente, mantendo-o apresentável para o funeral ou velório. Durante o procedimento, a veia jugular é mantida aberta com fórceps e o sangue é retirado por meio de um sifão.

O sangue, antes valioso, agora se tornou inútil e pode causar problemas nos necrotérios, que muitas vezes acabam retendo dois ou três galões de sangue após a drenagem de um cadáver.

 Comida de minhoca

Supondo que não haja intervenção humana, após as primeiras 48 horas, o corpo entra nos últimos estágios de decomposição. O cadáver acabará por adquirir um tom esverdeado escuro, semelhante ao de um zumbi, pois a hemoglobina do sangue se mistura com os gases e se transforma em sulfemoglobina. As veias também começarão a escurecer, criando uma aparência de mármore à medida que o corpo se desintegra.

A rapidez com que essa tonalidade verde aparece depende da temperatura; em climas mais temperados, leva apenas dois ou três dias. A partir daqui, o corpo começa a se decompor e microorganismos e insetos começam a desintegrá-lo.

A degradação é normalmente um processo bastante uniforme, mas existem algumas circunstâncias raras que podem alterar a aparência do sangue à medida que o corpo se decompõe. Por exemplo, se o corpo sofreu uma grande perda de sangue, o cadáver ficará invulgarmente pálido. Por outro lado, o envenenamento por nitrato pode fazer com que o corpo fique marrom durante o livor mortis, e o envenenamento por monóxido de carbono fará com que pareça vermelho brilhante.


FONTE

0 Comentários :

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Postagem mais recente Postagem mais antiga
 
});