É uma inevitabilidade que as agências espaciais e empresas privadas um dia terão que enfrentar durante as missões espaciais tripuladas.

Empresas de voos espaciais comerciais, como Virgin Galactic e Blue Origin, agora oferecem oportunidades exclusivas para celebridades e civis viajarem para o espaço.

Tradicionalmente, os astronautas são submetidos a um treinamento rigoroso e a exames médicos antes de irem para o espaço, e o risco de morte por causas naturais é considerado remoto.

Mas nesta nova era de turismo espacial, parece que o exame médico não pode ser realizado, e apenas um mínimo de treinamento pré-voo é fornecido.

Com uma grande variedade de pessoas indo para o espaço e a perspectiva de os humanos estabelecerem bases na Lua e além, nos próximos anos, surge uma questão importante: o que acontecerá se alguém morrer no espaço?

De acordo com a lei espacial internacional, os países individuais são responsáveis ​​por autorizar e supervisionar todas as atividades espaciais nacionais, sejam governamentais ou privadas. Nos Estados Unidos, os voos espaciais turísticos comerciais exigem uma licença para lançamento, a ser emitida pela Federal Aviation Administration.

Se alguém morrer em uma missão turística comercial, será necessário determinar a causa da morte. Se a morte de um participante do vôo espacial foi devido a uma falha mecânica na nave espacial, a Administração Federal de Aviação tentaria suspender novos lançamentos da empresa enquanto se aguarda uma investigação.

Se a falha mecânica for desconsiderada, seria necessário considerar o dever geral de cuidar de todos os viajantes pelo fornecedor comercial e avaliar se fez todo o possível para evitar a morte da pessoa.

Desconfortável, mas inevitável

O tempo gasto no espaço nessas missões turísticas varia atualmente de alguns minutos a alguns dias. Isso significa que o risco de morte no espaço por causas naturais é muito baixo, embora não impossível.

A questão do que fazer se alguém morrer no espaço se tornará significativamente mais pertinente - e complexa - quando os humanos embarcarem em missões mais longas no espaço, e até mesmo um dia se estabelecerem permanentemente no espaço sideral.

Fundamentalmente, será necessário algum tipo de processo investigativo para estabelecer a causa da morte de humanos no espaço sideral. Já houve inquéritos antes, como o inquérito sobre o desastre do ônibus espacial Columbia em 2003, onde o ônibus espacial da Nasa Columbia se desintegrou ao retornar à Terra, matando os sete astronautas a bordo.

Mas essas foram investigações especializadas em acidentes de alto perfil e dizem respeito apenas ao vôo espacial dos Estados Unidos. À medida que as oportunidades de viagens espaciais se expandem, é inevitável, seja por acidentes, doença ou idade, que ocorram mortes no espaço ou em outro corpo celestial.

Um procedimento formal para investigar mortes em missões de longa duração e assentamentos espaciais será necessário para garantir que haja informações claras sobre quem morreu, as causas da morte e, assim, as lições podem ser aprendidas e possíveis padrões detectados.

Muitos dos procedimentos associados a inquéritos e investigações podem ser importados da Terra. A lei espacial internacional fornece a posição padrão em que um país que registrou uma nave espacial tem jurisdição sobre esse objeto espacial e qualquer pessoal. É provável que um país com tal jurisdição seja a autoridade natural para iniciar um inquérito e determinar os procedimentos para lidar com uma morte no espaço.

Embora este seja um ponto de partida útil, um acordo feito sob medida para o assentamento ou missão específica provavelmente seria melhor. O planejamento de uma missão ao espaço inclui a consideração de fatores como energia, alimentação, proteção contra radiação e eliminação de resíduos. Estabelecer processos sobre o que fazer se uma pessoa morrer, e incorporar esses processos em qualquer plano, tornará o evento um pouco menos traumático.

Ter um acordo em vigor no início de uma missão é ainda mais importante se houver vários países participantes.

Considerações práticas

Além da dimensão legal, as missões que enviam humanos para o Sistema Solar precisarão considerar o descarte físico de restos mortais. Aqui, é importante levar em consideração que diferentes culturas tratam seus mortos de maneiras muito diferentes. Em missões curtas, é provável que o corpo seja trazido de volta à Terra. O corpo precisaria ser preservado e armazenado para evitar a contaminação da tripulação sobrevivente.

Em uma viagem de ida e volta a Marte, que levaria anos de duração e pode ser uma perspectiva nas próximas décadas, o corpo poderia ser congelado no frio do espaço para reduzir seu peso e facilitar o armazenamento no caminho de volta para a Terra. 

Mas se começarmos a colonizar o espaço sideral, os corpos podem precisar ser eliminados em vez de armazenados.

Embora os fãs de Star Trek possam se lembrar da maneira como o corpo de Spock foi lançado no espaço, isso provavelmente não seria desejável na vida real. Os países podem se opor a ter um cadáver humano flutuando no espaço, enquanto o próprio corpo pode contribuir para os problemas crescentes criados por detritos espaciais. A família do falecido pode querer que o corpo de seu ente querido seja devolvido a eles.

O descarte de restos mortais em uma colônia é igualmente complicado. O corpo de um colono enterrado em outro planeta pode contaminar biologicamente aquele planeta. A cremação também pode contaminar e pode exigir muitos recursos.

Com o tempo, haverá, sem dúvida, soluções técnicas para o armazenamento e eliminação de restos mortais no espaço. Mas as questões éticas em torno da morte no espaço ultrapassam as fronteiras antropológicas, legais e culturais. A ideia pode ser desconfortável de contemplar, mas é uma das muitas conversas que precisaremos ter enquanto os humanos se tornam uma espécie que viaja pelo espaço.

[Unexplained]

 
});