Oficiais militares soviéticos veem os restos mortais do cosmonauta Vladimir Komarov.

Na imagem acima: um grupo de agentes da União Soviética guarda alguns restos mortais. É uma cena triste e o fim de uma figura histórica na corrida espacial internacional. Vladimir Komarov foi o primeiro cosmonauta daquele país a voar para o espaço sideral em mais de uma ocasião. Mas, infelizmente, ele também se tornou o primeiro humano a morrer em uma missão espacial.

Junto com Yuri Gagarin, o primeiro cosmonauta a viajar ao espaço sideral, Komarov dedicou sua vida à aviação e eles se tornaram grandes amigos. Em 1967, Komarov e Gagarin foram designados para a mesma missão na órbita da Terra. Os 2 estavam cientes de que a cápsula espacial não garantia um voo seguro.

Komarov disse entre seus amigos que era muito provável que morresse durante o voo. 

MISSÃO COMPLICADA

Meses antes, o líder da União Soviética, Leonid Brezhnev, propôs realizar uma missão que seria um encontro entre duas espaçonaves.

O plano a ser executado era o seguinte: lançar a cápsula Soyuz 1 com Komarov dentro. Um dia depois lançar um segundo veículo com 2 outros cosmonautas. A ideia era que as duas naves se encontrassem. Para fazer isso, Komarov ia de uma nave para outra e trocava de lugar com um de seus colegas e depois voltava para a segunda cápsula.

Vladimir Komarov estava entre os melhores amigos de Gagarin. Aqui eles são vistos caçando juntos.

O Brezhnev queria celebrar o 50º aniversário da revolução comunista. O líder deixou claro que a missão deveria ser cumprida sem qualquer tipo de recusa.

O desejo de Brezhnev enfrentou vários problemas. Gagarin, que já era um herói em seu país, e um grupo de especialistas avaliaram a Soyuz 1 e encontraram mais de 200 problemas graves na estrutura da máquina. Resumindo, a cápsula era muito perigosa para navegar no espaço. Para Gagarin, a missão deveria pelo menos ser adiada.

Na tentativa de interromper a missão, Gagarin redigiu um memorando de 10 páginas e o entregou a seu melhor amigo no KGB, V. Russayev. Ninguém que tivesse conhecimento do memorando ousou enviá-lo para a cadeia de comando. Na verdade, os militares ou agentes que tiveram acesso ao documento foram enviados para a Sibéria, rebaixados ou demitidos.

Um mês após o lançamento, Vladimir Komarov percebeu que a suspensão não seria viável. Então ele decidiu se encontrar com o já rebaixado agente Russayev e mencionou:

"Eu não voltarei daquele voo. Se eu me recusar a voar, eles enviarão o piloto reserva."

DIA DE LANÇAMENTO

Em 23 de abril de 1967 seria o lançamento. Naquele dia, um jornalista local anunciou que Gagarin havia chegado ao local e exigia vestir um traje espacial. Sua atitude foi classificada como "capricho repentino". Muitos pensaram que ele estava tentando salvar seu amigo da morte.

No final, a nave decolou com Komarov a bordo.

Nave espacial Soyuz 1 (representação artística), local do acidente e Vladimir Komarov.

Assim que o Soyuz começou sua órbita sobre a Terra, os problemas começaram a aparecer. A primeira era que as antenas não abriam de maneira correta, o que deixava a espaçonave sem energia, limitando o funcionamento do equipamento de navegação. Isso resultou no cancelamento do lançamento do dia seguinte. O pior era que as chances de Komarov voltar vivo diminuíam a cada hora.

Outros problemas que surgiram foram a degeneração do sistema de controle térmico, as comunicações com a Terra eram irregulares e a orientação astronômica nula devido à falta de energia elétrica. 

Por cerca de 5 horas, Vladimir Komarov tentou sem sucesso orientar o módulo. No entanto, apesar de seus esforços, o pior ainda estava por vir. A nave voltou a entrar na atmosfera da Terra, mas quando a cabine desceu, o pára-quedas principal se desdobrou incorretamente, enquanto o segundo ficou preso. As 2 falhas foram observadas por Gagarin no memorando que ele escreveu.

ÚLTIMOS MINUTOS ANTES DE MORRER

Komarov, sabendo que iria morrer, contatou os oficiais de controle de solo. Alexei Kosygin, então primeiro-ministro soviético, ligou para ele e disse que ele era um herói. A esposa de Komarov também esteve presente durante a ligação para discutir o que seria dito aos filhos. Foi uma cena triste com o próprio Kosygin chorando.

Valentina Komarov, viúva do cosmonauta soviético Vladimir Komarov, beija uma fotografia de seu marido morto durante seu funeral oficial, realizado na Praça Vermelha de Moscou em 26 de abril de 1967.

Posteriormente, a espaçonave caiu na superfície da Terra a mais de 200 quilômetros por hora com Komarov dentro. Com o impacto, a cápsula explodiu. Quando as equipes da Força Aérea Soviética chegaram, havia apenas restos de metal. Eles só foram capazes de identificar a parte superior da Soyuz.

Os restos mortais foram imortalizados na imagem com a qual o artigo é aberto. Em pouco tempo, as cinzas de Komarov foram enterradas na necrópole do muro do Kremlin na Praça Vermelha. Como uma homenagem a Vladimir Komarov, ele foi condecorado postumamente com uma segunda ordem de Lenin e a Ordem do Herói da União Soviética.

Quanto a Gagarin, ele morreu em um acidente de avião em 1968, um ano antes de astronautas dos Estados Unidos chegarem à lua.

[Grandes Medios]

 
});