Ao longo da história, houve quem se apresentasse afirmando ter vastos poderes paranormais. Não faltaram pessoas especialmente na era em que o Espiritismo estava em seu apogeu. Um desses indivíduos foi um homem que se tornou famoso no cenário espiritualista, com uma vida muito estranha e reputação ao mesmo tempo suspeita e surpreendente.

O homem conhecido como George Valiantine nasceu em 1874 em Williamsport, Nova York, Valiantine só descobriu seus supostos poderes aos 43 anos, período durante o qual ele viveu uma vida humilde como fabricante. Sua primeira introdução às suas próprias habilidades psíquicas supostamente aconteceu quase por acidente uma noite, enquanto ele estava hospedado em um hotel. Durante a noite, ele afirmou ter ouvido batidas misteriosas nas paredes e no teto que pareciam tentar lhe dizer algo. Quando Valiantine contou isso a um amigo que estava no Espiritismo, o amigo sugeriu que ele tentasse fazer uma sessão espírita para invocar os espíritos que pareciam estar tentando se comunicar com ele.

Valiantine começaria a realizar sessões espíritas regulares depois disso, onde ele supostamente invocava regularmente vários espíritos diferentes, um misterioso “Dr. Barnett ”, bem como três nativos americanos chamados “Hawk Chief”,“Kokum”e“Blackfoot”, todos com vozes e padrões de fala totalmente diferentes. Um de seus principais truques era usar uma trombeta, através da qual os espíritos falavam ocasionalmente enquanto ela flutuava no ar, e outro atrativo para suas sessões era quando ele canalizava espíritos de vários lugares ao redor do mundo, muitas vezes falando em línguas estrangeiras que Valiantine supostamente não sabia falar. Isso atraiu a atenção de um pesquisador psíquico chamado H. Dennis Bradley, que se encontrou com o médium em 1923 e decidiu testar suas habilidades em um ambiente controlado.

Bradley testemunharia todo tipo de estranheza durante suas sessões com o médium. Valiantine invocava vários espíritos, tanto homens quanto mulheres, que falavam em tons que Bradley tinha certeza de que não poderiam ter sido falsificados ou produzidos pelo médium, dizendo "cada espírito era distinto e cada um falava com um sotaque diferente do outro". Ele também viu a trombeta flutuar no ar com seus próprios olhos, e frequentemente ouvia as vozes dos espíritos e de Valiantine falando simultaneamente. Esses espíritos frequentemente davam informações sobre Bradley e os outros assistentes que Valiantine não conhecia. Outros fenômenos relatados por Bradley foram orbes flutuantes de luz que zuniam pela sala, batidas nas paredes e móveis, e até mesmo em algumas ocasiões uma mão invisível repousava em seu ombro. Nem Bradley nem nenhum de seus assistentes conseguiram explicar aquilo racionalmente.

No final de 1923, The Scientific American de Nova York ofereceu um prêmio de 2.500 dólares a qualquer um que pudesse fornecer provas de um fenômeno espiritualista genuíno sob condições de teste. Valiantine entrou no concurso com o total apoio de Bradley, duas sessões preliminares privadas foram organizadas por Gardner Murphy da Universidade de Columbia e Kenneth Andrews do New York World. 

As sessões foram, segundo todos os relatos, um sucesso, e Valiantine passou pelo teste real perante o comitê do The Scientific American. Durante essas sessões, Valiantine supostamente canalizou um total de oito espíritos diferentes, suas vozes vindo do alto e mantendo conversas com os presentes. A trombeta também foi testemunhada pairando no ar. O comitê instalou secretamente um sensor elétrico de pressão na cadeira de Valiantine para medir se ele a deixou durante as sessões, e em várias ocasiões registrou o médium deixando a cadeira por curtos períodos. O pesquisador psíquico Harry Price diria sobre isso:

Na sessão final, em completa escuridão, em 26 de maio de 1923, um aparato especial foi instalado. Este era um circuito elétrico que incluía a cadeira em que o médium se sentava. Quando o médium se levantou de sua cadeira, uma luz se apagou em uma sala contígua. Foram feitas anotações por ditafone de tudo o que ocorreu. Verificou-se que Valiantine deixou sua cadeira quinze vezes quando deveria estar nela, às vezes por até dezoito segundos, e que esses períodos correspondem àqueles em que os assistentes eram tocados pelos "espíritos".

Em parte devido a isso, embora muito do que foi testemunhado não pudesse ser facilmente explicado como truques, foi considerado inadmissível como prova real e, portanto, Valiantine não ganhou o prêmio. Na verdade, ele foi considerado uma fraude pelo comitê da Scientific American, mas, apesar desse revés, foi endossado de todo o coração por Bradley e continuou a surpreender o público com suas sessões. Valiantine começou a viajar para a Inglaterra e a Europa para fazer demonstrações, muitas vezes deixando o público pasmo sobre como os espíritos que ele canalizava sabiam tanto sobre eles e podiam falar em diferentes línguas, mas ainda havia muitos céticos. Um deles era um rico financista americano chamado Joseph de Wyckoff, que tinha várias amostras de escritos canalizados pela mão de Valiantine por espíritos, analisados ​​por especialistas. Foi descoberto que a escrita do espírito foi definitivamente escrita pelo próprio Valiantine. Claro, o próprio Valiantine negou veementemente isso, o tempo todo continuando suas sessões e mantendo seus crentes. Durante uma sessão espantosa realizada em 1924, Valiantine canalizou cerca de cem espíritos diferentes na presença de uma multidão de cinquenta pessoas, das quais de Wyckoff era uma, o que o fez questionar se ele estava errado sobre o médium ser uma fraude, mas ele ainda estava desconfiado.

Parece que Wyckoff se tornaria um espinho constante no lado de Valiantine, continuando seus esforços para desmascarar tudo, mas na extremidade oposta do espectro, Bradley continuou seus experimentos com o médium e saiu convencido todas as vezes. Outros testes foram organizados para investigar a viabilidade da habilidade de Valiantine de canalizar línguas estrangeiras. Quando Valiantine começou a afirmar que poderia canalizar o espírito do próprio grande filósofo chinês Confúcio, Bradley trouxe o Dr. Neville Whymant, uma autoridade em história, filosofia e literatura antiga chinesa, que disse o que testemunhou na sessão espírita:

De repente, vindo da escuridão, ouvi um pequeno som estranho, crepitante e quebrado, que imediatamente levou minha mente de volta para a China. Era o som de uma flauta, mal tocada, como se pode ouvir nas ruas da Terra Celestial, mas em nenhum outro lugar. A seguir, em voz baixa, mas muito audível, as palavras 'K'ung-fu T'Zu'. Poucas pessoas, exceto chineses, conseguem pronunciar o nome corretamente, pois os sons não podem ser representados em letras inglesas. A ideia de que poderia ser o próprio Confúcio nunca me ocorreu. Eu tinha imaginado que poderia ser alguém desejoso de discutir a vida e a filosofia do grande professor chinês.

Whymant até fez perguntas a Confúcio que apenas uma pessoa daquela época da história chinesa poderia saber, e Valiantine passou com louvor. Além de tudo isso, Valiantine demonstrou a capacidade de escrever caracteres chineses antigos com precisão na escuridão quase completa. Na verdade, Whymant ficou muito impressionado com tudo, afirmando que não apenas a voz falava como um chinês de tempos antigos, mas também que sabia que era aparentemente impossível para Valiantine saber tudo que falou. Whymant afirmava que havia apenas cerca de seis eruditos chineses no mundo cujo conhecimento seria igual ao demonstrado pela voz direta. Como o médium poderia ser capaz de fingir isso? É ainda mais impressionante quando se considera que Valiantine não era particularmente bem-educado ou mesmo totalmente letrado, do que Bradley diria:

É um homem de boas maneiras instintivas, mas é fundamental afirmar que é semi-analfabeto. Ele não possui nenhuma educação escolar, além das simplicidades comuns; ele é mal versado em conversas e ideias gerais. Menciono esses fatos porque muitas das comunicações que foram feitas em voz direta sob sua mediunidade foram brilhantes em suas expressões e cultura.

É interessante que um dos aspectos mais bizarros da carreira de Valiantine como médium psíquico é o quão inconsistente ele era. Para cada exibição incrível e verdadeiramente inexplicável, haveria outra em que eram encontrados sinais de trapaça. Por exemplo, um pesquisador psíquico Ernest Palmer descobriu depois de examinar a trombeta de Valiantine que era quente ao toque e tinha umidade no bocal exatamente da maneira que alguém suspeitaria se um humano o tivesse usado e não um espírito. Em outras ocasiões, foram encontrados movimentos fraudulentos do médium durante as sessões, e talvez o sinal mais famoso de trapaça aconteceu em 1931, quando Valiantine concordou em produzir impressões digitais de espíritos em cera de nomes como Sir Arthur Conan Doyle, Lord Dewar e Sir Henry Segrave. O procedimento envolveu as impressões digitais desses espíritos sendo colocadas em um molde de cera, mas as impressões deixadas para trás foram decepcionantes. Por exemplo, a impressão de Sir Arthur Conan Doyle foi considerada uma combinação com a impressão do dedão do pé de Valiantine em seu pé direito, a impressão digital do espírito de "Lord Dewar" era a mesma do dedão do pé esquerdo de Valiantine. A impressão digital de “Sir Henry Segrave” era a impressão do dedo médio de Valiantine. No entanto, Valiantine nunca admitiria qualquer fraude.

Estranhamente, ao longo dos anos as opiniões sobre as habilidades de Valiantine mudaram. Bradley, que havia realizado mais de cem experimentos no médium sempre considerado genuíno, se tornaria bastante cético quando descobriu o que acreditava ser sinais de trapaça e mais tarde o consideraria uma fraude, mesmo escrevendo um livro inteiro sobre por que ele pensava assim em 1931. Já o inimigo de Valiantine, Whymant, chegaria à conclusão de que ele realmente possuía habilidades mediúnicas, mas simplesmente não era capaz de controlá-las totalmente e elas apareceriam apenas esporadicamente, portanto, forçando ele a recorrer ocasionalmente a meios fraudulentos. Valiantine passou a se tornar a força polarizadora na história de supostos fenômenos psíquicos, com as pessoas igualmente divididas nas opiniões.

[Mysterious Universe]

 
});