As chuvas mais incomuns da história da humanidade. | Resumo.



Durante muito tempo a ciência não prestou atenção a esses fenômenos anômalos, sugerindo que não passava de lendas e invenções. Mas explicações foram encontradas.

Exatamente há 80 anos, algo estranho aconteceu perto da vila de Meschera na região de Gorky que assustou os moradores locais. Do céu moedas antigas caíram sobre suas cabeças.

Situação inusitada.

Em 17 de junho de 1940, os habitantes da vila de Meshchera com espanto correram para coletar moedas de prata dos séculos XVI a XVII que caiu do céu.  

De acordo com a versão mais comum, o clima causou a chuva de dinheiro: primeiro, a chuva lavou o chão revelando um tesouro enterrado do tempo de Ivan o Terrível, e depois o furacão o levantou no ar e espalhou as moedas pela vizinhança.

Chuva Vermelha.

Em julho de 2001, a chuva caía vermelha no estado indiano de Kerala e continuou até o final de setembro e a população ficaram bastante assustadas.

Mais tarde, os cientistas os tranquilizaram: a chuva ficou colorida devido a esporos de algas locais.

Chuva de Sapos.

Em 2005, sapos caíram do céu perto da vila Sérvia de Kaja Janovik, deixando os habitantes locais desesperados. 

Cientistas sugeriram que a culpa de tudo foi o tornado que arrastou os anfíbios para o funil de um corpo de água próximo.

"Precipitação" semelhante de sapos foi observado em momentos diferentes em outros países. 

Por exemplo, em 1953 em Massachusetts, EUA.

E em 2007 em El Rebolledo, Espanha.

Jantar Caído do Céu.

A chuva de animais é sem dúvida uma ocorrência rara, mas não mencionada apenas em fontes escritas. 

Essa evidência é encontrada entre os antigos gregos e romanos. A mensagem sobre esquilos caindo do céu está contida na Crônica de Ipatiev. 

No século XIX, por exemplo, a revista Scientific American de 1877 descreveu a chuva de cobras com cerca de 45 cm de comprimento que caiu em Memphis. 

Em junho de 1880, choveram codornizes sobre Valência na Espanha e, em fevereiro de 1861 os cingapurianos viram milhares de peixes caírem do céu.

Chuva de peixes em Cingapura, conforme descrito pelos povos indígenas

Há relatos de precipitação incomum de animais, tanto no século passado quanto no presente.

Em 1969, na cidade de St. Mary (EUA), choveu canários mortos. 

Em 1978, em New South Wales (Austrália) chuva de camarão. 

Em 2007, os residentes da província Argentina de Salta assistiram aranhas caindo do céu.

Em 2011, as minhocas começaram a cair sobre os alunos de uma das escolas da Escócia (ocorrido em uma aula de educação física no estádio). 

O professor foi forçado a interromper a lição e levar as crianças de volta a escola, e depois saiu com elas e coletou essas minhocas por um longo tempo para examiná-las. Os cientistas sugeriram que o vento as trouxe, mas o tempo naquele dia estava ensolarado e calmo e as chuvas foram leves.

Para a cidade de Yoro, em Honduras, as chuvas de peixes se tornaram tão comuns que o departamento local realiza o Festival anual da chuva de peixes que atrai turistas de várias localidades.

A ação ocorre no período de maio a julho: uma nuvem escura aparece no céu com fortes chuvas trazendo grandes quantidades de peixes vivos que permanecem no chão. 

Tanto os moradores como os visitantes recolhem e as levam para a cozinha, onde preparam um jantar de gala. A chuva de peixes é mencionada até no folclore hondurenho.

Gravura representando a "chuva de peixes" (O. Magnus, 1555)

Um sapo pode aparecer na nuvem?

A ciência durante muito tempo não deu a devida atenção a esse fenômeno anômalo, sugerindo que não passava de uma lenda. 

Portanto, surgiu uma versão que agora parece puro absurdo. A saber: as criaturas que caíram do céu se originaram de alguma forma nas nuvens. 

No século 19, uma base quase científica foi levantada sob essa hipótese: eles dizem que junto com o vapor da água, os ovos de sapos sobem na atmosfera, onde crescem e vivem nas nuvens por algum tempo, e depois caem na atmosfera com a chuva.

No entanto, o físico francês Andre Marie Ampère tentou explicar as chuvas de sapos com argumentos mais racionais. 

Posteriormente, eles foram aceitos por outros cientistas. 

Ampère sugeriu que ventos fortes possam captar grandes grupos de sapos para fora dos reservatórios e carregá-los por vários quilômetros. 

Na verdade, a explicação científica do fenômeno que causou perplexidade e admiração supersticiosa entre nossos ancestrais, resume-se a fenômenos meteorológicos anormais, furacões e tornados.

Os cientistas provaram que podem criar peixes e sapos na superfície dos reservatórios, pequenos animais do solo e interceptar pássaros em voo incapazes de escapar do funil de um tornado, os animais sobem cada vez mais alto até que os elementos diminuam e sua energia ceda à gravidade da Terra.

Há outra explicação científica que nega a própria existência de chuvas de animais. Percebe-se que algumas espécies de peixes conseguem se arrastar pela grama passando de um reservatório para outro como enguias.

Se uma pessoa os vê imediatamente após a chuva pode pensar que caíram de uma nuvem de tempestade. O mesmo vale para sapos. 

Até o filósofo grego antigo Theofast sugeriu que os anfíbios não caem do céu com chuva, essa chuva os faz sair das lagoas e pântanos para áreas abertas.


Com a Informação SouLask.


 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });