CIA acredita que a China pressionou a OMS a minimizar publicamente o risco de coronavírus em janeiro. | Resumo.

A CIA acredita que a China  pressionou a Organização Mundial da Saúde a adiar as advertências públicas sobre o coronavírus no início do surto, segundo um novo relatório. Crédito da imagem: DailyMail.

Um relatório da CIA diz que a China ameaçou parar de cooperar com a investigação de coronavírus da OMS se a organização declarasse o surto uma emergência de saúde global, de acordo com a Newsweek.

O suposto atraso ocorreu em um momento crucial em janeiro, quando o vírus estava se espalhando pelo mundo sem ser detectado e a China estava estocando equipamentos médicos e equipamentos de proteção fabricados nos EUA e em outros lugares.

A alegação ocorre quando mais de 82.000 americanos morreram do vírus que se originou em Wuhan, na China, no ano passado, e as acusações provavelmente vão desgastar ainda mais as relações tensas entre Washington e Pequim.  

O conteúdo do documento da CIA, chamado 'ONU-China: OMS está atenta, mas não deve estar presente na China', foi confirmado à Newsweek por dois oficiais de inteligência dos EUA.

É o segundo relatório de inteligência ocidental a indicar que a China armou fortemente a OMS para minimizar os riscos da epidemia, depois que um documento de inteligência alemão relatado por Der Spiegel sugeriu que o líder chinês Xi Jinping pressionou pessoalmente o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O diretor geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus (à esquerda), e o líder chinês Xi Jinping apertam as mãos em Pequim em 28 de janeiro de 2020.

O jornal alemão citou informações do Serviço Federal de Inteligência do país, conhecido como 'Bundesnachrichtendienst' (BND). 

De acordo com o BND: 'Em 21 de janeiro, o líder da China, Xi Jinping, pediu ao chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que retivesse informações sobre uma transmissão de humano para humano e adiasse um aviso de pandemia. 

"O BND estima que a política de informações da China tenha perdido de quatro a seis semanas para combater o vírus em todo o mundo".

A OMS divulgou um comunicado logo após a publicação das alegações de choque, chamando-as de "infundadas e falsas". 

A OMS não respondeu imediatamente a uma pergunta do DailyMail sobre o documento da CIA, mas disse à Newsweek: 'Não comentamos discussões específicas com os Estados membros, mas podemos dizer que em todos os momentos da pandemia a OMS agiu de acordo com seu mandato como organização técnica baseada em evidências, com foco em proteger todas as pessoas, em todos os lugares. ' 

"A OMS baseia suas recomendações em ciência, melhores práticas de saúde pública, evidências, dados e aconselhamento de especialistas independentes", acrescentou a declaração.

Um documento de inteligência alemão relatado por Der Spiegel sugeriu que o líder chinês Xi Jinping pressionou pessoalmente o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus (acima).

A OMS disse que Tedros  não se comunicou com Xi em 20, 21 ou 22 de janeiro, mas que Tedros se encontrou com Xi em Pequim em 28 de janeiro. 

A OMS finalmente declarou o coronavírus uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional em 30 de janeiro, embora o anúncio tenha sido rápido em insistir que a China não era culpada e elogiando o tratamento da crise pela China.









Com a Informação DailyMail.

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });