Qual seria a verdadeira quantidade de mortos pelo coronavírus na China? | Resumo.


A China é um dos grandes gigantes quando o assunto se trata de população, território e economia. É também um país que possui algumas restrições quanto a liberdade de informação, onde a internet do povo é controlada e muito do que acontece no país acaba não sendo revelado ao mundo.

Recentemente a China foi o palco inicial da pandemia do coronavírus, e essa característica meio fechada em relação a informação levou muita gente a considerar a veracidade de algumas teorias da conspiração. Hoje falaremos de uma dessas teorias que nos foi trazida pelo amigo Elson Antonio Gomes, onde os números oficiais de morte pelo coronavírus são questionadas.

A queda no uso de aparelhos celulares é argumento usado nessa teoria para estabelecer que as morte no país asiático são maiores que o que foi noticiado.

O número de usuários chineses de celulares caiu 21 milhões nos últimos três meses, anunciaram as autoridades de Pequim em 19 de março.

“O nível de digitalização é muito alto na China. As pessoas não podem sobreviver sem um telefone celular ”, disse Tang Jingyuan, comentarista de assuntos da China nos Estados Unidos.

“O regime chinês exige que todos os chineses usem seus celulares para gerar um código de saúde. Somente com um código de saúde verde os chineses podem se mudar para a China agora. É impossível para uma pessoa cancelar o celular.

Desde 1º de setembro de 2010, a China exigia que todos os usuários de celulares registrassem os telefones com sua identificação real, através da qual o estado pode controlar o discurso das pessoas por meio de seu sistema de monitoramento em larga escala.

Além disso, as contas bancárias e previdenciárias do povo chinês estão incluídas em seus planos de celular; aplicativos em telefones chineses verificam os cartões SIM no banco de dados do estado para garantir que o número pertence ao usuário.

A China introduziu digitalizações faciais obrigatórias em 1 de dezembro de 2019, para confirmar a identidade da pessoa que registrou o telefone.

Pequim lançou pela primeira vez códigos de saúde baseados em telefone celular em 10 de março. Todas as pessoas na China devem instalar um aplicativo para celular e registrar suas informações pessoais de saúde. Em seguida, o aplicativo pode gerar um código QR, que aparece em três cores, para classificar o nível de saúde do usuário. Vermelho significa que a pessoa tem uma doença infecciosa, amarelo significa que a pessoa pode ter uma e verde significa que a pessoa não tem.

Pequim alegou que os códigos de saúde se destinam a impedir a propagação do coronavírus.

21 milhões de usuários de celulares

O Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China (MIIT) anunciou em 19 de março o número de usuários de telefones em cada província em fevereiro.

Em comparação com o anúncio anterior, lançado em 18 de dezembro de 2019, os usuários de celulares e telefones fixos caíram drasticamente. No mesmo período do ano anterior, o número de usuários aumentou.

O número de usuários de celulares diminuiu de 1,600957 bilhões para 1,579927 bilhões, uma queda de 21,03 milhões.

De acordo com os dados de operação de todas as três operadoras de celular chinesas, as contas de celular aumentaram em dezembro de 2019, mas caíram acentuadamente em 2020.

A China Mobile é a maior operadora, com cerca de 60% do mercado chinês de celulares. Ele informou que ganhou mais 3,732 milhões em contas em dezembro de 2019, mas perdeu 0,862 milhão em janeiro de 2020 e 7,254 milhões em fevereiro de 2020.

A China Telecom é a segunda maior operadora, detendo cerca de 21% do mercado. Ele ganhou 1,18 milhão de usuários em dezembro de 2019, mas perdeu 0,43 milhão de usuários em janeiro de 2020 e 5,6 milhões de usuários em fevereiro de 2020.

A China Unicom, que ainda não publicou os dados de fevereiro, compartilha a mesma experiência que as outras duas telecomunicações em janeiro de 2020. A empresa perdeu 1,186 milhão de usuários em janeiro de 2020.

A China permite que cada adulto solicite no máximo cinco números de celular. Desde 10 de fevereiro, a maioria dos estudantes chineses frequenta aulas on-line com um número de celular, devido ao fato de suas escolas serem obrigadas a permanecer fechadas. As contas desses alunos estão sob o nome dos pais, o que significa que alguns pais precisaram abrir uma nova conta de celular em fevereiro.

Analisando os números

A grande questão é se a queda drástica nas contas de celulares reflete o fechamento de contas daqueles que morreram devido ao coronavírus.

“É possível que alguns trabalhadores migrantes tivessem dois números de celular antes. Um é da cidade natal e o outro é da cidade em que trabalham. Em fevereiro, eles podem fechar o número na cidade em que trabalham porque não puderam ir para lá ”, disse Tang.

Normalmente, os trabalhadores migrantes teriam ido para sua cidade natal no ano novo chinês em janeiro e, em seguida, as restrições de viagem os impediriam de retornar à cidade onde tinham um emprego.

No entanto, como há uma taxa mensal básica para manter uma conta de celular na China, a maioria dos trabalhadores migrantes - o grupo de menor renda - provavelmente só terá uma conta de celular.

A China tinha 288,36 milhões de trabalhadores migrantes em abril de 2019, de acordo com o Bureau Nacional de Estatísticas da China.

Em 17 de março, Meng Wei, porta-voz da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China, disse em uma entrevista coletiva mensal em Pequim que, exceto Hubei, todas as províncias relataram que mais de 90% de seus negócios retomaram as operações. Em Zhejiang, Xangai, Jiangsu, Shandong, Guangxi e Chongqing, quase todas as empresas retomaram a produção.

Se o número de trabalhadores migrantes e o nível de emprego forem precisos, mais de 90% dos trabalhadores migrantes voltaram ao trabalho.

O deslocamento econômico causado por paralisações na China também pode ter levado algumas pessoas que têm um celular extra a cancelá-lo. Com os negócios ruins ou interrompidos, eles podem não querer arcar com as despesas extras.

“Atualmente, não sabemos os detalhes dos dados. Se apenas 10% das contas de celular fossem fechadas porque os usuários morreram por causa do coronavírus, o número de mortos seria de 2 milhões ”, disse Tang.

Em 25 de março, um alto funcionário do MIIT, Han Xia, abordou o ponto de dados em uma entrevista coletiva diária.

Ele alegou que a queda nas contas de celular se deveu em parte ao fechamento das empresas em fevereiro para cumprir as políticas de quarentena. Essas empresas fecharam suas contas de telefone sobressalentes quando suas operações foram interrompidas, disse ele.

Além disso, como as empresas de telecomunicações também fecharam suas lojas físicas durante bloqueios em todo o país, as pessoas não foram capazes de abrir novas contas, disse Han.

O número de mortos relatado na China não está de acordo com o que pode ser determinado sobre a situação lá.

Uma comparação com a situação na Itália também sugere que o número de mortos na China é significativamente subnotificado. A Itália adotou medidas semelhantes às usadas pelo regime chinês. O número de mortes do vírus na Itália de 4.825 se traduz em uma taxa de mortalidade de 9%. Na China, onde uma população muito maior foi exposta ao vírus, o número de mortes reportado de 3.265 traduziu-se em uma taxa de mortalidade de apenas 4%, menos da metade da relatada na Itália (esses valores são de Março, época em que essa teoria foi elaborada pelo site que é citado nas referências dessa matéria).

As atividades no epicentro de surtos da província de Hubei parecem contradizer o número de mortos na China. As sete casas funerárias na cidade de Wuhan estavam queimando corpos 24 horas por dia, sete dias por semana no final de janeiro. A Província de Hubei usa 40 cremadores móveis, cada um capaz de queimar cinco toneladas de resíduos e corpos médicos por dia, desde 16 de fevereiro.

Na falta de dados, o verdadeiro número de mortos na China é um mistério, como tudo que acontece num país comunista. Estes países ditatoriais adoram mudar os números para poderem se fazerem de superiores aos inimigos. No Irã várias pessoas da alta cúpula morreram por causa do coronavírus, imaginem o que aconteceu com o povão. Um país com mais de 80 milhões de pessoas e menos de três mil mortes? A Coreia do Norte então nem se fala. Quem já teve a oportunidade de fazer turismo para lá, sabe que só pode conhecer a capital Pyongyang e mais uma ida a fronteira com a Coreia do Sul. Pyongyang oficialmente tem uma população de três milhões de pessoas e você não vê ninguém nas ruas. A noite está tudo fechado e apagado. Parece uma cidade fantasma. Imaginem o que pode estar acontecendo lá com esta pandemia. Sendo assim, o cancelamento de 21 milhões de celulares na China fornece um ponto de dados que sugere que o número real pode ser muito maior que o número oficial.











Com a Informação The Epoch Times.
 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });