Astrônomos discutem a possibilidade de três dias de escuridão. Mistério Resumo.

 

Astrônomos discutem a possibilidade de três dias de escuridão.

Astrônomos de renome opinaram sobre um cenário hipotético de escuridão que se estenderia por muito tempo.

Em termos gerais, os astrônomos explicam que a Terra, juntamente com todo o sistema solar, não está situada num meio interestelar puro, mas reside dentro de uma bolha criada pelo vento solar, conhecida como heliosfera.


Na verdade, a nossa Galáxia está longe de estar vazia, repleta de objetos como nuvens de gás interestelar e nuvens de poeira. A probabilidade de o Sol encontrar tal nuvem é de aproximadamente 1-2%. 


No caso de uma colisão com um gás interestelar ou uma nuvem de poeira, as simulações sugerem que a heliosfera se contrairia para meras 0,22 unidades astronômicas (UA), um tamanho consideravelmente menor que a órbita de Mercúrio.


Devido ao achatamento da heliosfera, a Terra está exposta ao aumento da radiação galáctica. 


Também pode ocorrer de receber bombardeios de átomos de hidrogênio e poeira da nuvem. Evidências de tais bombardeios foram descobertas nas camadas que contêm restos de australopitecos, levando os astrônomos a considerar isso como uma causa potencial para sua extinção e o subsequente salto evolutivo. 


A extinção dos australopitecos pode ter sido devida a um aumento dramático na radiação cósmica, ou talvez os componentes da nuvem interestelar fria tenham afetado drasticamente o clima. Sabe-se que as mudanças climáticas causam a extinção de várias espécies.


O aspecto intrigante é que os astrônomos não conseguem observar diretamente uma nuvem de poeira cósmica no seu caminho. Torna-se visível apenas à distância, como se fosse visto externamente. Além disso, é possível deduzir o momento de um encontro com tal nuvem através de estratos geológicos e depois traçar a trajetória do Sol para trás. Através deste método, é evidente que a Terra passou por uma nuvem de gás na constelação do Lince há milhões de anos. No entanto, determinar se estamos atualmente numa nuvem semelhante não é viável. 


O método mais confiável é implantar instrumentos dentro da órbita de Mercúrio, onde as condições da heliosfera são mais aparentes. Mesmo que estejamos atualmente dentro de uma nuvem interestelar, avaliar esta situação para além da órbita de Mercúrio é um desafio devido à nossa compreensão limitada do estado normal da heliosfera.


Curiosamente, as missões para estudar o Sol aumentaram em frequência, com inúmeras agências espaciais lançando vários satélites. Esta tendência pode indicar que a NASA possui conhecimento adicional.


Por exemplo, existe a hipótese de estarmos à beira de uma enorme nuvem interestelar na constelação de Leão. Se for esse o caso, a nossa jornada através dele poderá conter outros eventos inesperados, como um período de escuridão causado por uma densa camada de poeira cósmica.



FONTE

0 Comentários :

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Postagem mais recente Postagem mais antiga
 
});