A teoria da Terra Oca: da ficção à ciência. Mistério Resumo.

 

A teoria da Terra Oca: da ficção à ciência.

Durante séculos, os teóricos da conspiração da Terra Oca tentaram provar que existe um outro mundo abaixo do nosso. 

Desde tempos imemoriais, as pessoas acreditam que existe outro mundo logo abaixo da superfície do nosso planeta. Os antigos gregos, por exemplo, acreditavam em um lugar escuro cheio de almas dos mortos. Mas a maioria dessas crenças iniciais eram de origem metafórica ou mitológica. 


A ciência moderna afirma que a Terra é uma série ininterrupta de camadas, crostas e magma líquido que circunda um núcleo denso e quente feito principalmente de ferro e níquel. Mas nem todo mundo está convencido. No século XVII, algumas das principais mentes científicas da época apresentaram uma nova teoria – que o planeta é na verdade oco. Essa ideia provou ser incrivelmente durável. 


Ainda hoje, existe um pequeno grupo que acredita na Terra Oca e luta corajosamente para validar as suas ideias através de livros, websites, reuniões, etc.


“Minha concepção da Terra Oca, baseada em minha pesquisa, é que a casca da Terra tem cerca de 1.300 quilômetros de espessura, de fora até a superfície interna”, diz Rodney Cluff, autor de World Top Secret: Our Earth IS Hollow. 


Ele foi ainda mais longe: “metade do planeta é ocupada pelo peso da superfície, e depois há um espaço vazio.”


“Suspenso no centro dessa cavidade está um sol interior que é dividido pelos lados diurno e noturno”, diz ele, “A outra parte da teoria da Terra Oca é que perto do pólo Norte e Sul há aberturas substanciais que levam para o interior.” 


Lemos as histórias lendárias sobre os nazistas que exploraram as regiões do sul do nosso planeta e até criaram bases secretas em Neuschwabenland. Alguns também falam sobre a Operação Highjump e as viagens do Almirante Byrd, onde aeronaves extremamente avançadas foram vistas voando e explorando novos territórios.


Não muito tempo atrás, descobrimos um mapa do Terceiro Reich no qual há várias passagens secretas representadas que foram usadas pelos submarinos alemães para acessar misteriosas regiões subterrâneas, bem como um mapa completo de ambos os hemisférios e do misterioso reino de Agartha.


Aqui está uma foto do que se afirma ser um mapa da Terra Oca do Terceiro Reich.
Aqui está uma foto do que se afirma ser um mapa da Terra Oca do Terceiro Reich. 


Possivelmente a primeira pessoa a especular cientificamente sobre uma Terra oca não foi outro senão Edmund Halley, famoso pelo cometa Halley. Proposta em 1692 como forma de explicar leituras anômalas da bússola, a teoria de Halley é que o planeta é uma série de conchas esféricas aninhadas, girando em direções diferentes, todas circundando um núcleo central. 


Na sua estimativa, com base nas leituras do campo magnético e no que ele sabia sobre a atração gravitacional do Sol e da Lua na Terra, este modelo poderia explicar quaisquer imprecisões nas suas leituras dos campos magnéticos do planeta. Ele também postulou que o espaço entre cada concha pode ter tido atmosferas luminosas capazes de sustentar vida.


No início da década de 1970, o ESSA, um projeto pertencente ao Departamento de Comércio dos Estados Unidos, deu acesso à mídia às imagens do Polo Norte obtidas pelo satélite ESSA-7 em 23 de novembro de 1968.


Uma das fotografias mostrava o Polo Norte coberto pela nuvem habitual; o outro mostrava a mesma área sem nuvens, revelando um enorme buraco onde o poste deveria estar localizado 


Entre 1946 e 1947, ele e sua equipe realizaram uma operação de grande escala chamada “Salto em Altura”, durante a qual descobriu e mapeou 1.390.000 km² do território antártico.


As famosas expedições de Byrd entraram pela primeira vez na disputa das teorias da Terra oca quando vários artigos e livros como Mundos além dos Polos, de Amadeo Giannini, afirmavam que Byrd não havia voado sobre o Polo, mas para dentro através de grandes buracos que conduziam à Terra. 


Da ciência à ficção científica 


Em 1864, Júlio Verne publicou Viagem ao Centro da Terra, que propunha um mundo estranho dentro do nosso, e embora não tenha sido a primeira obra de ficção a propor tal coisa (pode-se argumentar que a primeira obra de ficção desse tipo a respeito do estranho mundo dentro do nosso é o poema de Dante, Inferno), o trabalho de Verne rapidamente se tornou a referência para tais contos de fantasia, dando força a todo um subgênero de ficção científica subterrânea.


Muitas dessas histórias usaram as teorias de Halley e Symmes como pontos de partida para histórias de estranhas selvas pré-históricas e raças humanas altamente avançadas e perdidas. 


O romance de 1892, A Deusa de Atvatabar, ou A História da Descoberta do Mundo Interior, usou o modelo de Symmes como base para uma história de um rico mundo interior habitado por uma raça de seres espiritualmente iluminados. Esta visão da Terra Oca parece ser uma das principais inspirações de muitos dos tropos atuais da teoria moderna da Terra oca.


Evidências de uma “Terra Oca” são encontradas na história de inúmeras civilizações antigas. 


O herói babilônico Gilgamesh visitou seu ancestral Utnapishtim nas entranhas da terra; na mitologia grega, Orfeu tenta resgatar Eurídice do inferno subterrâneo; dizia-se que os faraós do Egito se comunicavam com o submundo, que podia ser acessado através de túneis secretos escondidos nas pirâmides; e os budistas acreditavam (e ainda acreditam) que


milhões de pessoas viviam em Agharta, um paraíso subterrâneo governado pelo rei do mundo.


Então, justamente quando você pensa que essas teorias poderiam ser nada mais do que imaginação excessiva, você na verdade se depara com evidências na história antiga que apontam para a possibilidade do mundo dentro da Terra. 




FONTE

0 Comentários :

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Postagem mais recente Postagem mais antiga
 
});