No século 19, circos itinerantes e shows paralelos estavam na moda. Aonde quer que fossem, atraíam grandes multidões em fila para ver coisas além de sua compreensão, sendo que em determinado momento esses programas foram a forma de entretenimento mais popular que existia. Por trás de todas as alegações sensacionalistas atraindo o grande público, muitas vezes havia um elenco muito colorido de personagens com suas próprias vidas e histórias estranhas.

O início da vida da mulher conhecida como Julia Pastrana é tão imbuído de sensacionalismo por sua grandiosa persona teatral que permanece um tanto obscuro e misterioso, sendo difícil separar o fato da ficção. Sabe-se que ela nasceu em 1834 em algum lugar do estado de Sinaloa, no México, e era de uma tribo indígena. Sabe-se também que ela sofria de várias doenças genéticas que causavam várias anomalias físicas, como no corpo e rosto cobertos por cabelos pretos e lisos, ficando apenas as palmas das mãos e solas dos pés nuas, lábios e gengivas espessadas, nariz e orelhas extraordinariamente grandes e dentes irregulares e grandes demais. Todo o efeito deu a ela um aspecto bastante animalesco.

Uma história é que ela foi encontrada vivendo em uma caverna e dada a um orfanato, onde foi adotada por Pedro Sanchez, o então governador de Sinaloa, para ser sua empregada doméstica, e acabou sendo descoberta pelo circo ou vendida a ele. Em outra, ela foi resgatada após ser encontrada meio morta na floresta após um ataque brutal e adotada pelo governador. Um conto mais popular era que ela era uma garota de uma aldeia e era chamada de “Mulher Lobo”, quando sua mãe morreu ela foi vendida ao circo por seu próprio tio. Na maioria das versões, ela passou um tempo com o governador como uma serva, e em 1854 após ser recrutada ou comprada por um artista de circo foi levada para os Estados Unidos, onde foi exibida na Broadway pelo promotor JW Beach como “The Marvelous Hybrid”,ou também “A Mulher Ursa”, até cair sob a gestão de outro showman, Theodore Lent.

A Quaresma levaria Julia em turnê por todo os Estados Unidos e Europa, incluindo o Queen's Hall em Londres, ao mesmo tempo que elaborava uma história falsa para ela. Muitas vezes inventaram que ela era de uma misteriosa tribo mexicana desconhecida, chamada de “Root Diggers”, que eram híbridos entre homem e macaco. Dependendo do local, Julia seria apresentada sob uma variedade de nomes malucos, incluindo a "Dama de Babuíno", a "Mulher com cara de cachorro", a "Mulher cabeluda", a "Mulher com cara de macaco", a "Mulher Macaco”, a “ Mulher Urso”, entre outros. 

As multidões ficaram maravilhadas com sua aparência distinta de macaco, e ficaram ainda mais surpresas que, apesar de todos os seus traços animalescos, Julia falava, dançava e cantava com elegância e sempre mostrava uma grande inteligência, humor e charme que contrastavam com sua aparência feroz. Ela já foi descrita como “sociável e educada, e, além de ser, sem dúvida, a maior curiosidade viva, ela é uma dama em todos os aspectos. Ela era substancialmente humana: falava várias línguas, cantava, dançava, era viva e inteligente”.

Julia se tornaria uma das artistas de circo mais populares em uma época em que algumas dessas pessoas alcançaram o status de celebridade massiva e, nesse ínterim, ela não apenas impressionou o público, mas também atraiu a atenção de cientistas, médicos e naturalistas que estavam tão perplexo quanto qualquer outro. Em particular, os naturalistas Alfred Wallace e Charles Darwin eram fascinados por ela, com Darwin até especulando que ela poderia ser algum tipo de elo perdido em sua escala evolutiva teórica de humanos e macacos. Isso, é claro, foi usado pelos promotores para anunciá-la como "Prova da Teoria de Darwin". Julia foi frequentemente examinada por médicos, muitos dos quais realmente acreditavam que ela era uma fusão de humano e animal, com um médico Alexander B. Mott, MD, proclamando que ela era um híbrido humano-orangotango, enquanto outros acreditavam que ela era uma nova espécie de humano. Apenas alguns presumiram corretamente que ela tinha algum tipo de doença ou deformidade física, mas na época o conhecimento médico não era o que é hoje, de modo que esses exames e declarações errôneas de médicos e profissionais apenas alimentaram o mistério de Julia.


Em 1860, durante uma excursão por Moscou, Julia deu à luz um menino, que apresentava as mesmas deformidades físicas que ela. Tragicamente, o bebê morreu poucos dias depois, e a própria Julia sucumbiria das complicações do parto, suas últimas palavras teriam sido “Eu morro feliz; Eu sei que fui amado por mim mesma.” A Quaresma embalsamou ela e a criança e vendeu os cadáveres para o Museu Anatômico da Universidade de Moscou. A partir daqui, Julia continuaria sua odisséia mesmo na morte. Lent comprou os cadáveres da universidade e os levou para uma excursão pela Europa em 1862, os dois expuseram o cadáver preservado de Julia por mais de uma década, antes de Lent supostamente enlouquecer e morrer em 1885.

Após a morte de Lent, o corpo de Julia mudaria de mãos inúmeras vezes e seria exibido em todos os lugares por uma variedade de feiras, circos e gabinetes de curiosidades. Em 1921, o cadáver estava na Noruega, em 1943 o corpo estava sendo exibido na Suécia e, em 1973, Julia viajou para os Estados Unidos em um parque de diversões itinerante, antes de retornar à Noruega novamente. Em 1976, vândalos danificaram os cadáveres de Julia e seu filho, depois, em 1979, os corpos foram roubados desaparecendo sem deixar vestígios. Em algum momento, parece que o corpo foi encontrado e entregue à polícia, mas depois foi armazenado em um porão do Instituto Forense de Oslo e esquecido. Só em 1990 o corpo de Julia seria finalmente redescoberto e identificado, e em 2012, ela finalmente teve a chance de descansar quando foi levada ao México para um enterro adequado depois de mais de um século na estrada, embora, infelizmente, seu filho nunca tenha sido encontrado. E assim a vida bizarra de Julia Pastrana chegaria a paz.

[Mysterious Universe]

 
});