Células cerebrais 'cansadas' podem distorcer sua noção do tempo. | Resumo.


O tempo no cérebro não segue o tique-taque constante dos relógios mais precisos do mundo. Em vez disso, parece voar em um momento e praticamente ficar parado em outros. Essa sensação distorcida de tempo pode ser causada, em parte, pelo cansaço das células cerebrais, de acordo com um novo estudo.

Quando o cérebro foi exposto ao mesmo intervalo de tempo exato muitas vezes, os neurônios ou células cerebrais ficam superestimulados e disparam com menos frequência, concluiu o estudo. No entanto, nossa percepção do tempo é complicada e muitos outros fatores também podem explicar por que o tempo se move lentamente às vezes e rapidamente às outras.

Só muito recentemente começamos a entender como nossos cérebros percebem o tempo. Foi apenas em 2015 que os pesquisadores encontraram as primeiras evidências de neurônios cuja atividade oscila com a nossa percepção do tempo. Mas não estava claro se esses neurônios, encontrados em uma pequena região do cérebro chamada giro supramarginal (SMG), estavam mantendo o tempo preciso para o cérebro ou criando uma experiência subjetiva de tempo. 

No novo estudo, os pesquisadores usaram uma "ilusão de tempo" em 18 voluntários saudáveis ​​para descobrir isso. Eles conectaram os participantes a uma máquina de ressonância magnética funcional (fMRI) que mede a atividade cerebral detectando mudanças no fluxo sanguíneo.

Os voluntários então passaram por um período de "adaptação", no qual foi mostrado um círculo cinza em um fundo preto por 250 milissegundos ou 750 milissegundos, 30 vezes consecutivas. 

Depois disso, os participantes viram outro círculo por um determinado período de tempo como um "estímulo de teste". Em seguida, eles foram orientados a ouvir o ruído branco por um determinado período de tempo e questionados se o estímulo do teste era mais longo ou mais curto do que o ruído branco. (Eles usaram o ruído branco como referência porque um estímulo auditivo não é afetado pela adaptação visual, mas o estímulo de teste visual é.)

Os pesquisadores descobriram que, se o estímulo do teste fosse semelhante em duração ao estímulo de adaptação em duração, a atividade no giro supramarginal diminuía. Em outras palavras, os neurônios daquela região dispararam menos do que quando foram expostos ao círculo cinza pela primeira vez.

A ideia é que essa repetição "canse os neurônios", que são sensíveis a essa duração, disse o autor principal Masamichi Hayashi, neurocientista cognitivo do Centro de Redes Neurais e de Informação do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação em Japão. Mas "outros neurônios que são sensíveis a outras durações [estavam] ainda ativos". 

Essa diferença no nível de atividade distorceu a percepção de tempo dos participantes, disse ele. Se exposto a um estímulo mais longo do que a duração para a qual o cérebro foi adaptado, o participante superestimou o tempo e se exposto a um estímulo mais curto, o participante subestimou o tempo.

Isso pode distorcer nosso senso de tempo no mundo real. Por exemplo, uma audiência em um concerto de piano pode se adaptar a um andamento musical. "Seu público pode sentir seu andamento musical subjetivamente mais lento do que realmente é depois de ser exposto a uma música com um andamento mais rápido, mesmo se você estiver tocando a música no andamento correto", disse Hayashi.

Mas "não podemos dizer neste ponto que a fadiga dos neurônios 'causou' uma percepção distorcida do tempo porque nosso estudo apenas mostrou uma correlação entre a fadiga dos neurônios e a distorção do tempo subjetivo", disse ele. "Nosso próximo passo é examinar a relação causal."

Também é possível que existam vários mecanismos em funcionamento no cérebro para criar nossa percepção única do tempo, disse ele. Por exemplo, nossa percepção do tempo pode estar intimamente relacionada às nossas expectativas, pode ser devido a substâncias químicas no cérebro ou mesmo a velocidade com que as células cerebrais se ativam e formam uma rede ao realizar uma atividade, de acordo com um relatório anterior. "Abordar esta questão seria uma direção importante para pesquisas futuras", disse Hayashi. 

[Livescience]

 
document.querySelectorAll('img').forEach(function(img) { img.src = img.src.replace('/s72-c','/s1600'); });