julho 06, 2019
0

Esta imagem pode ser uma das fotografias mais impressionantes tolas de todos os tempos.

Embora pareça uma Polaroid de algum lodo industrial em um armazém decadente, você está olhando para o epicentro do desastre nuclear de Chernobyl, irradiando a radiação de mais de 10 bilhões.
Conhecido como
o Pé de Elefante”,
essa massa de material radioativo esfriada já foi potente o suficiente para matar qualquer humano que estivesse em sua presença.
Embora seu poder tenha diminuído ao longo das décadas, ele ainda emite calor e assombra as ruínas da usina com níveis perigosos de radiação.
O Pé de Elefante é uma massa de cório é uma mistura de urânio, grafite, concreto e areia que se formou durante o desastre nuclear de Chernobyl.
Na pequena madrugada de 26 de abril de 1986, o reator 4 da Usina Nuclear VI Lenin, perto da cidade ucraniana de Pripyat, foi atingido por um surto de energia anormal durante um teste de segurança de sistemas de rotina.

Isso fez com que as hastes de combustível de urânio superaquecessem em sua água de resfriamento, gerando uma quantidade imensa de vapor e pressão.
Uma explosão colossal ocorreu, seguida por uma segunda explosão pouco depois, provocando o lançamento de material radioativo na atmosfera e cessando o fluxo que refrigerava o reator.
Como o termo “derretimento” sugere, essa bagunça gerou energia térmica suficiente para literalmente derreter o núcleo do reator e suas barras de combustível nuclear.
Este inferno produziu um material derretido que escorre e flui como lava enquanto emite níveis mortais de radiação ionizante.
Enquanto a catástrofe continuava a ir de mal a pior, essa lava mortal derretia um buraco nas vigas de aço e no concreto abaixo do reator, caindo no porão, onde acabava esfriando e endurecendo.
Logo após o desastre, o monte de corium resfriado emitia cerca de 10 mil radicais de radiação ionizante por hora. Segundo a revista Nautilus, é uma dose letal em apenas alguns minutos o equivalente a ser atingido por milhões de radiografias de tórax.
a Chernobyl logo após o acidente
O sujeito que fotografou com o lixo radioativo é Artur Korneyev, um inspetor nuclear cazaquistanês com um senso de humor negro que veio pela primeira vez a Chernobyl logo após o acidente.

Entre outros, ele foi encarregado com o trabalho intimidante de encontrar o combustível vazado e medir os níveis de radiação nas entranhas de Chernobyl.
Nós éramos os pioneiros. Estávamos sempre na linha de frente”,
disse Korneyev, de 65 anos, ao The New York Times em uma rara entrevista.
A imagem mais famosa dele e do Pé de Elefante (abaixo) foi tirada em 1996, mais de 10 anos após o desastre inicial. A essa altura, o Pé de Elefante emitia cerca de 10% da radiação que já teve.
Esta imagem do porão de Chernobyl é realmente aterrorizante
Esses níveis ainda poderiam atingir um ser humano com uma severa doença de radiação se tivessem em exposição durante 5 ou mais minutos, no entanto, parece que uma leitura rápida e um piscar de olhos da câmera não são longos o suficiente para causar efeitos agudos dramáticos à saúde…
Como você pode ver, a fotografia do Pé de Elefante é granulosa, distorcida e pontilhada com estranhas marcas de superexposição. Este não é o resultado da má qualidade da câmera, nem de algum filtro do Instagram, é devido a radiação mexendo em como o filme.
Notavelmente, Korneyev ainda esteja vivo. Embora, talvez surpreendentemente, ele sofra de catarata e outros problemas de saúde devido a seus freqüentes desentendimentos com radiação pesada em Chernobyl.
A radiação soviética é a melhor radiação do mundo”,
ironizou Korneyev.



Com a Informação Chaves do Mistério.

0 Comentários :

Postar um comentário