13:16
0

No chan, abreviação da palavra inglesa channel (canal), o conteúdo antigo é automaticamente deletado. Nem todos os chans são de conteúdo de ódio, mas esse tipo de fórum acabou sendo usado por pessoas violentas e preconceituosas por garantir o anonimato dos usuários.
O conteúdo trocado nesse chan é tão violento que seu criador, Marcelo Valle Silveira Mello, foi condenado a 41 anos, 6 meses e 20 dias de prisão, por racismo, ameaça, incitação ao crime e terrorismo por meio da internet.
Além dos assassinos das escolas de Realengo e Suzano, muitos outros usuários do Dogolachan já demonstraram intenção em realizar atentados em espaços públicos de diversas cidades, inclusive Belo Horizonte. Em 2016, um jovem usou a plataforma para dizer que gostaria de matar alunos da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG com uma bomba. Foram feitos prints das postagens do internauta anônimo (a data foi alterada pelos gerentes do chan para confundir possíveis investigações).  Veja:
dogolachan
dogolachan
O caso foi levado para a administração da UFMG, que acionou a Polícia Federal.
Para não atrapalhar as investigações e não incentivar jovens a buscar a deep web, Polícia Federal e Polícia Civil de Minas Gerais não comentam casos que envolvam ameaças na deep web. 
Transtornos
De acordo com Julia Khoury, psiquiatra da Faculdade de Medicina da UFMG, os jovens que compartilham conteúdos de ódio em chans como esse tendem a ter distúrbios psiquiátricos (como depressão, ansiedade, dificuldade em se relacionar, fobia social) ou transtornos de conduta (matam animais, agridem pessoas e podem ser diagnosticadas posteriormente como psicopatas).
“Eles usam a internet para fugir da realidade ou encontrar pessoas com um tipo de pensamento parecido. Ali vivem uma sensação de pertencimento, encontrando pessoas que estimulam atitudes mais violentas”, explica a psiquiatra. Segundo ela, o anonimato da deep web permite que internautas se sintam à vontade para expressar opiniões que não seriam aceitas pela sociedade.
Julia Khoury explica ainda por que os chans atraem majoritariamente os usuários masculinos. “Estatisticamente, os homens costumam ter traços de agressividade e impulsividade, tanto que os transtornos de conduta são muito mais comuns em homens”, explica a médica. “Há uma base biológica e social nessa constatação. A biológica é porque a testosterona estimula um comportamento mais agressivo. A social está no aprendizado que o homem tem, ao longo dos anos, de que tem o direito de ser mais agressivo para demonstrar virilidade”.
Segundo ela, cabe aos pais verificar se os filhos navegam pela deep web e se apresentam mudança de comportamento.
Experiência
Doutorando em História pela UFMG, Igor Tadeu Rocha tem utilizado grupos virtuais fechados de extremistas como fonte para pesquisa sobre fundamentalismo religioso. Segundo ele, jovens com pensamentos violentos e conservadores também utilizam ferramentas de mídias tradicionais (como WhatsApp e Facebook) para compartilhar conteúdos inadequados.
dogolachan
Print da conversa entre usuários do Dogolachan após o massacre de Suzano; eles temem uma investigação da polícia
“São meninos que ou estão no auge da puberdade ou passaram dos 20 ainda virgens, que sofrem ou sofreram bullying na escola, que são e foram tratados como esquisitos. Daí, em conflito, são convidados a fazer parte de uma galera que diz que todas as frustrações deles são culpa do 'mundo moderno'”, explica o pesquisador, que publicou um texto sobre o assunto no site Justificando.
Como pesquisador e educador, Igor acredita que o diálogo é a melhor forma para se evitar que mais jovens continuem buscando conforto em grupos virtuais e chans violentos.
“Nesses grupos extremistas, os garotos apenas acham que os outros os levam a sério e dão a eles um pouco de sensação de pertencimento. Acho que faria diferença um diálogo. Antes um amigo, um familiar ou especialista conversar e tentar, de alguma forma, ajudár a lidar com certos problemas do que um anônimo na internet que vai passar contatos pra compra de armas”.
Um estudante da UFMG, que pediu para não ser identificado, compartilhou um texto numa rede social em que relatou sua experiência em grupos de interessados no tema Segunda Guerra Mundial durante a adolescência. Isso permitiu que se deparasse com vários jovens de tendência nazista. “Lembro que essa época foi a primeira vez que senti que tinha um grupo de amigos”, afirmou o estudante, reconhecendo que adolescentes tendem a se sentir acolhidos nesses espaços virtuais.
“Nesse grupo todos tinham graves problemas de autoestima e uma ideologia de extrema-direita serve para criar um sentimento de unidade e superioridade. Felizmente, acabei resolvendo minhas questões de autoestima, e muitos do grupo também, ao longo da adolescência, largaram completamente o neonazismo. Os que não conseguiram se aprofundaram mais na ideologia”, lembrou o estudante.









Com a Informação Hoje em Dia.

0 Comentários :

Postar um comentário