22:54
0

HONDURAS. Este pequeno país da América Central é um dos focos mais frequentes de ataques e aparições da criatura mítica, de arquétipo antigo mas que atualmente é conhecida como Chupacabras. 

Em um território de pouco mais de 112 mil km2 - os casos são recorrentes. ano após ano, chupacabras aterrorizam os pecuaristas grandes e pequenos em todo o país. 

Como o nome sugere o chupacabras é um predador de gado - porque suas práticas estranhas não se limitam ao caprinos. Atacam igualmente vacas, cavalos e até galinhas.

É o modus operandi da criatura que a torna mítica. O alvo de seu apetite é exótico e incompreensível. Como está acontecendo, neste Março de 2019: as vacas amanhecem sem língua. Não há derramamento de sangue. Os cortes são precisos.


O veterinário hondurenho, Eleazar Romero, aponta esse modo de agir como algo inexplicável, racional demais para uma fera comum. 

Nos casos recentes, os animais atacados eram bem cuidados, acomodados em currais - não estavam em local precário ou campo aberto. Todavia, a ação do predador não foi percebida por ninguém.

Romero explica que "este ser escolhe atacar precisamente a jugular mas não o faz provocando derramamento de sangue"

Isso elimina muitos animais, como o morcego, por exemplo "ele não é capaz de consumir todo o sangue de vaca, uma ovelha ou cavalo" e o chupacabras, em seus ataques, drena - todo o sangue de cada uma de suas vítimas. "O máximo que um morcego pode ingerir de sangue por vez é pouco mais de 1 mililitro e deixa rastro, a vítima sangra. 

Porém, o mais insólito na ação dessa criatura não é somente a drenagem do sangue mas, o fato de que ela retira especificamente certos órgãos do animal - como a língua ou genitais - e o faz com um corte preciso, limpo. 


Romero não se furta a classificar o quadro do ataque do chupacabras como sobrenatural. O veterinário comenta ainda - "Este predador mata vários animais em em uma mesma ação, em um local ou pequena região. mas, ele não come as presas apenas extrai órgãos com cortes cirúrgicos. 

Muitos dos animais mortos já foram examinados em laboratórios norte-americanos e não existe explicação que possa associar os ataques às características que qualquer criatura selvagem conhecida.

Os ataques estão ocorrendo neste mês de março em Honduras já foram registrados nas regiões pecuaristas de Comayagua, Olancho, Francisco Morazán, El Paraíso, Siguatepeque entre outros departamentos (estados).







Com a Informação Sofá da Sala.

0 Comentários :

Postar um comentário