Jim Jones, que dizia ser a reencarnação de Jesus, Buda e Lenin, foi o mentor de um terrível massacre no qual 909 de seus seguidores acabaram mortos. A brutal cena do suicídio coletivo – e massacre – em Jonestown, conduzido por um líder religioso tido como progressista, deixaria o mundo em choque.

Convido os amigos e amigas a ler a matéria abaixo, que foi enviada ao blog pelo amigo Chico Izidro, e conhecer um pouco mais a respeito do massacre de Jonestown, que dia 16 de novembro completou 40 anos.

Foi uma das cenas mais dantescas de um século famoso por suas atrocidades inéditas. Algo abjetamente explícito e compacto, e ainda mais inexplicável que as catástrofes mais lembradas, porque vinha de civis sem uma ideologia real.

Nos dias que se seguiram à noite de 18 de novembro de 1978, fotógrafos e repórteres tiveram de se mover por um tapete de 909 corpos, 304 dos quais menores de idade, rapidamente inflados e irreconhecíveis pelo calor do verão amazônico. Imagens abjetas que correriam o mundo, estampadas a cores em jornais e na TV.

A noite da agonia

O reverendo Jim Jones havia ordenado a toda sua comunidade, não muito modestamente batizada de Jonestown, que fizesse fila para beber um refresco em pó tratado com uma mistura de cianeto de potássio e calmantes, disposto em baldes industriais.

E eles assim o fizeram, muitos por vontade própria, mas outros sob ameaça dos seguranças armados. Vários corpos apresentaram indícios de tiros e facadas.

"Digo a vocês, não me importo de quantos gritos vocês tenham que ouvir, não importa quanto choro agonizante", ouvia-se o líder dizer pelo alto-falante. "A morte é um milhão de vezes melhor que mais 10 dias desta vida. Se vocês soubessem o que está adiante de vocês... se soubessem do que está adiante de vocês, ficariam felizes de estarem partindo esta noite."

Pastor progressista

James Warren Jones, mais conhecido por Jim Jones, nasceu em maio de 1931, e desde cedo demonstrou grande interesse pelas obras de Joseph Stalin, Karl Marx, Mao Zedong, Mahatma Gandhi e Adolf Hitler.

Na idade adulta, declarava-se comunista e lutava ao lado dos afro-americanos contra a segregação e a discriminação racial nos Estados Unidos. Jones e sua esposa Marceline adotaram várias crianças não brancas, algo inédito a uma família branca. Chamavam a si próprios de "família arco-íris".

Jim Jones recebe o Prêmio Humanitário Martin Luther King Jr. do pastor Cecil Williams, em 1977
Em 1956, Jones inaugurou o Templo do Povo, seita supostamente cristã, em Indiana. Em 1962, citando o medo do apocalipse nuclear, tentou mudar a sede para o Brasil, em Belo Horizonte.

A aventura não durou muito. Jones não falava português e, não conseguindo arrebanhar discípulos. Voltou para os Estados Unidos em 1963. Desta vez, se instalou na Califórnia, centro da indústria cultural e perfeito lugar para se tornar uma celebridade. Foram abertas filiais do Templo em São Fernando, Los Angeles e São Francisco.

Jones foi capaz de ganhar o apoio do público e aproximar-se de figuras políticas progressistas, entre elas a primeira-dama Rosalynn Carter. Em 1977, chegou a ser comparado com Martin Luther King Jr., Angela Davis e Albert Einstein pelo deputado democrata Willie Brown.

A comunidade

Não era essa, porém, a opinião de ex-integrantes da seita. Na metade de 1977, Jones e os membros do Templo do Povo se transferiram para a Guiana, em tese para fundar em Jonestown uma utopia comunista. Na prática, fugindo de acusações de morte, perseguição, sequestro e abusos psicológicos e sexuais que aos poucos chegavam aos ouvidos da mídia americana. Não muito depois, em agosto de 1977, um artigo dos jornalistas Marshall Kilduff e Phil Tracy que denunciava o Templo seria publicado na revista New West.

A esta altura, era difícil ver qualquer coisa de cristianismo na seita. A megalomania de Jones havia chegado ao ponto em que ele se afirmava a reencarnação de Jesus, Buda e Lênin.

A nova comunidade de Jones foi construída dentro da Floresta Amazônica, com a aprovação do então presidente da Guiana, Forbes Burham. O nome oficial era Projeto Agrícola do Templo do Povo, mas todos conheciam o lugar como Jonestown, um “paraíso socialista” e “santuário” para os seus moradores. Foi lar de mais de 900 americanos, 68% deles negros.

O lugar era autossuficiente. Havia uma escola, bangalôs e um pavilhão central, além de espaço para que os habitantes cultivassem verduras e legumes. A única forma de contato com o mundo era um rádio de ondas curtas.

Relatos de sobreviventes apontam que Jones promovia um regime ditatorial, com punições severas e presença de guardas armados para evitar fugas. Ali, o pastor começou a propagar a sua ideia de que ele e seus seguidores deveriam morrer juntos para ir a outro plano mais feliz.

Mais de uma vez, foram feitas simulações de suicídio. Os baldes foram trazidos, as pessoas foram informadas que era veneno e tomaram. Quando o grande dia chegou, muitos dos primeiros na fila imaginaram se tratar de mais uma simulação. Até que os corpos começaram a cair e os gritos de crianças ficaram cada vez mais altos.

O massacre

Jones tomou a decisão de acabar com tudo após o governo americano bater em sua porta. Em 1978, o congressista dos Estados Unidos Leo Ryan decidiu ir a Jonestown para investigar acusações de abusos de direitos humanos. Junto a uma delegação, negociou a sua entrada em Jonestown em 17 de novembro.

Na tarde seguinte, Ryan e seus parceiros partiram, levando vários membros da seita que decidiram abandoná-la, após muita discussão e acusações internas. Foi atacado por um dos supostos dissidentes no caminho, com uma faca, mas o homem acabou sendo controlado.

Casas em Jonestown Fielding McGehee e Rebecca Moore
Às 17h20, a comitiva toda estava embarcada em dois Cessnas na pista de decolagem próxima ao templo. De dento de um deles, Larry Layton, um membro de alto escalão da seita que havia insistido em acompanhá-los, começou a disparar com uma pistola.

O outro avião foi cercado por membros da guarda de Jim Jones, vindos numa carroça puxada por um trator. Dispararam com escopetas, fuzis e pistolas. Antes das 18h, o congressista Ryan e outros quatro jaziam mortos na pista, com mais 11 feridos.

Suicídio "revolucionário"

Uma gravação recuperada pelo FBI mostra os 45 minutos anteriores ao suicídio. Jones diz para os membros do Templo do Povo que a União Soviética não os aceitaria após o assassinato de Ryan. Em seus últimos dias, Jones havia tentado convencer os soviéticos a aceitar a migração em massa para seu território. Também afirmou que organizações do governo apareceriam em Jonestown e torturariam cada um deles, desde crianças a idosos.


A única solução seria o suicídio "revolucionário". “Não tenha medo de morrer”, ele diz na gravação. “Nós não estamos cometendo suicídio; estavam cometendo um ato de suicídio revolucionário em protesto às condições inumanas do mundo.”


As crianças foram as primeiras a beber o refresco em pó da marca Flavor Aid, sabor uva. Levava cerca de 5 minutos para um adulto tombar, dando tempo para serem posicionados de bruços no terreno em volta, as famílias juntas. Quem tentou fugir, foi morto. Apenas 35 sobreviveram, se escondendo até os guardas tomarem o refresco eles próprios.


Jones não bebeu. Seu corpo foi achado em uma cadeira de praia, morto com um tiro na cabeça dado por ele mesmo.










Com a Informação Aventuras na História.

0 Comentários :

Postar um comentário