Provavelmente você conhece algum caso sobre um assassino em série, também conhecido como serial killer. São pessoas que geralmente apresentam algum tipo de psicopatia e sentem prazer em matar. Cometem crimes com certa cronologia, e procuram de alguma forma, deixar sua assinatura assim que executa suas vítimas. Ocorreram alguns casos chocantes aqui mesmo no Brasil, então, imagine tudo que pode ter acontecido mundo afora...
Por diversas vezes são pessoas que estariam acima de qualquer suspeita. Com uma personalidade dúbia, mas que exibe somente aquela que aparenta ser boa e inofensiva. Por trás de tudo isso, existe uma mente maligna e completamente perigosa. Pensando nisso, separamos abaixo alguns fatos realmente chocantes sobre serial killers. Se prepare para ler sobre o lado mais sombrio da humanidade...

1 - Se recusa a comer uma perna humana porque...

Henry Lucas foi um dos piores serial killers de que se tem conhecimento. Foi suspeito de uma série de assassinatos durante um ano e meio. Policiais suspeitavam que ele seria o responsável por cerca de 3 mil assassinatos! Dá pra acreditar? Por mais que não tenham comprovado tudo isso, é um homem que não deixa de ser cruel.
Ottis Toole era um de seus amigos. Da mesma forma, compartilhava da compulsão sádica de Lucas por matar pessoas. Certa vez, Toole chamou o parceiro para dividir com ele uma perna humana que havia acabado de assar. Pensa que isso já é absurdo o suficiente? Lucas se recusou a comer, afirmando que não gostava de molho de churrasco... Essa foi a principal razão.

2 - Esqueletos para escolas de medicina

HH Holmes, cujo nome verdadeiro era Herman Webster Mudgett, foi um médico de Nova Hampshire. Não se sabe ao certo o número de pessoas que matou, mas estima-se que ultrapassou 200. Atuava em seu "hotel de horrores" no ano de 1893. Acredite se quiser, mas o homem construiu o hotel apenas com o intuito de matar quem fosse se hospedar ali!
É considerado como o primeiro serial killer da América e o que mais pode nos chocar em relação à sua história, é que costumava vender os esqueletos de suas vítimas, e adivinhe? Justamente para escolas de medicina!

3 - Usar um disquete é seguro?

Entre 1974 e 1991, Dennis Rader matou cerca de 10 pessoas no Condado de Sedgwick, Kansas. Também era muito conhecido por seu "carinhoso" apelido: O assassino do BTK, ou ainda O estrangulador BTK. A sigla foi criada por ele mesmo, significando ligação, tortura e morte.
Semanas antes ser preso, o serial killer entrou em contato com um policial no qual achava que poderia confiar. Perguntou se poderia se comunicar com a polícia por meio de um disquete, questionando se seria seguro. Pensava que não poderia ser rastreado desta forma. Obviamente, o policial respondeu que sim.
Foi aí que Rader caiu. Ele realmente utilizou um disquete para enviar mensagens à polícia. Enviou o objeto para uma estação de televisão local, mas logo foi rastreado e preso.

4 - Um bolinho das amigas

Não, não escrevemos errado. Leonarda Cianciulli foi uma italiana responsável pela morte de 3 mulheres que considerava como amigas. Supostamente, para se livrar de uma maldição, a mulher atraiu as amigas para sua loja, e as executou com machadas. Em seguida, derreteu os corpos com soda cáustica.
Não é uma das piores serial killers no quesito quantidade, mas pode ser que no quesito crueldade ela entre para a lista. Com os restos mortais de suas vítimas, Leonarda produziu sabão e deu aos seus amigos e vizinhos. Com o sangue, ela decidiu fazer bolos. Serviu às visitas que recebia, e ainda dividiu alguns pedaços com o próprio filho. A polícia acabou chegando até ela, que foi condenada a 30 anos de prisão.

5 - "O Vampiro de Sacramento"

Em apenas um mês, 6 pessoas foram mortas na Califórnia por Richard Trenton Chase - conhecido como O Vampiro de Sacramento. Mas por que esse nome? Bom, apenas porque comeu os órgãos internos de suas vítimas, e também bebeu o sangue. Por incrível que pareça, ele invadiu as residências de suas vítimas, mas só entrava naquelas que estivessem com as portas abertas. 

6 - O jornalista que sabia demais...

Vlado Teneski foi um jornalista que focava em escrever sobre serial killers. Quando relatou sobre um que atuava em sua cidade natal, a precisão com que contava os fatos era realmente medonha. O que fez com que os policiais começassem a suspeitar do homem, é que ele relatava detalhes que as autoridades ainda não haviam divulgado.
Ele sabia muito a respeito do assassinato brutal de 3 idosas na pequena cidade de Kicevo. Após começarem a investigação, descobriram que o sêmen de Teneski combinava com aquele encontrado nas vitimas. Acabou sendo preso mas pouco tempo depois foi encontrado morto em sua cela. Ele estava com a cabeça mergulhada em um balde com água. A polícia diz que foi suicídio, mas... Vai saber né!

7 - O serial killer que soltava suas vítimas...

Durante um período de 12 anos, entre as décadas de 70 e 80, Robert Hansen matou cerca de 17 mulheres e estuprou outras 30 em Anchorage, no Alasca. Chamado de "Carniceiro de açougueiro", atacava principalmente prostitutas em uma construção de oleoduto que estava sendo levantada na época.
Para ele, não bastava ser apenas um serial killer. O mais detestável e bizarro no caso, é que o homem levava suas vítimas para uma região selvagem, florestas geralmente, e por lá as soltava. A orientação era para que se escondessem... Tentassem sobreviver. Após isso, ele apenas as caçava com um riffle empunhado em mãos. Tudo era apenas para alimentar seu prazer doentio em caçar suas vítimas, torturando-as também de forma psicológica.
Em 1984 foi encontrado e condenado a 461 anos de prisão. Morreu em 21 de agosto de 2014, aos 75 anos,  enquanto cumpria sua pena. A história do serial killer acabou inspirando o filme Sangue no Gelo, com Nicolas Cage e John Cusack.




Com a Informação Fatos Desconhecidos.

0 Comentários :

Postar um comentário