Apesar de parecer uma história clássica envolvendo possessão e o famoso tabuleiro Ouija, a produção conseguiu se destacar no gênero.

Um dos apelos do filme é que o longa é baseado em um caso real chamado “Expediente Vallecas”, o único caso policial da Espanha que relata acontecimentos paranormais.

O episódio aconteceu em novembro de 1992, quando a Polícia Nacional da Espanha escreveu o informe sobre Estefanía Gutiérrez Lázaro, uma jovem de 14 anos que morreu em Vallecas de uma forma misteriosa depois de brincar com um tabuleiro Ouija.

Embora o filme seja vendido como "baseado em fatos reais", o mesmo foi apenas vagamente inspirado no evento de Vallecas. Isso significa, que praticamente nada do que você viu ou verá no filme realmente aconteceu. A obra cinematográfica acompanha uma jovem, que precisa proteger seu irmãos mais novos depois que ela tenta trazer de volta o espírito de seu pai ao usar uma tábua Ouija.


Convido os amigos e amigas a conhecerem um pouco mais a respeito do evento ocorrido na casa da família Gutierrez Lázaro.

O caso Vallecas

Tudo começou em março de 1990, quando Estephanie Gutierrez Lázaro, de 18 anos, jogou o jogo Ouija em companhia de várias companheiras do Instituto que frequentava. Uma delas estava determinada a se conectar com um namorado que morreu em um acidente de moto.

Um professor (algumas fontes afirmam que foi uma professora) acaba surpreendendo as jovens jogando o famigerado jogo. Em seguida ele quebra o tabuleiro de Ouija, jogando o copo que elas usaram no chão.

Desde então, Estephanie Gutierrez Lázaro começou a ter algumas convulsões enigmáticas e estados de consciência alterados em que ela afirmou que ela viu figuras ao seu redor que a chamavam pelo nome. Segundo relatos era um grupo de pessoas altas e magras que, apertando as mãos, a chamavam. Havia situações em que seu corpo parecia ser possuído por uma força sobre-humana, nesses momentos Estephanie costumava se tornar bastante agressiva contra seus próprios irmãos. Em outros  momentos alegou-se que ela falava com a voz rouca de um homem.

Durante seis meses Estephanie visitou diferentes Centros de Saúde e nenhum médico conseguiu certificar que tipo de doença ela estava sofrendo. Infelizmente em 14 de agosto de 1991 entrou no hospital Gregorio Marañon em coma profundo e morreu em circunstâncias estranhas. De acordo com os médicos Pedro Cabeza e Gregorio Arroyo, “sua morte foi repentina e suspeita”.

A partir daí na casa de Estephanie começaram os fenômenos paranormais. As portas dos armários e dos quartos foram abertas e fechadas violentamente, os dispositivos elétricos foram ligados,além de objetos simples e pequenos como imagens e fotografias pareceram ganhar vida.

A virulência do fenômeno estava aumentando. Sombras e figuras etéreas começaram a assediar os Gutiérrez Lazaro.

Uma noite, estando Concepción Lázaro deitada na cama, ela sentiu que algo estava aprisionando-a e tocou as áreas de seu corpo que estavam fora dos lençóis, como seus pés e mãos. No começo, ela parece sentir a mão de sua filha Estephanie, mas, no entanto, imediatamente sente maldade, não há conforto ou memória gentil.

A situação tornou-se tão desesperada que até instalaram alarmes de movimento em diferentes áreas da casa. Um deles foi colocado no corredor e uma noite soou o alarme. A família correu para o corredor, mas não havia nada e ninguém lá.

Em uma das salas onde duas das irmãs de Estephanie dormiam em uma cama contra a parede, eles ouviram um som peculiar que as desperta. Elas descreveram ter visto uma figura ou sombra negra rastejando no chão pouco a pouco indo para o quarto.


A agressividade dos fenômenos chegou a tal ponto que uma das fotografias de Estephanie queimou sem motivo (imagem acima), deixando o quadro e o vidro que o mantiveram intacto.

Polícia se envolve

A manhã de 27 de novembro de 1992, a Comissária de Vallecas Moratalaz recebe uma chamada surpreendente. Na rua Luis Marín número 8, estava ocorrendo uma série de fenômenos paranormais. De acordo com o testemunho do pai, senhor Máximo, as pinturas e os crucifixos da casa estavam circulando e no meio do corredor viram uma figura escura, alta, sem pêlos, ali esperando por eles. Dois carros de patrulha da Polícia e o Inspetor-Chefe José Negri foram acionados. Eram 2:30 da manhã e o inspetor se depara com a família Gutiérrez Lázaro na rua, apesar do frio que foi naquela noite de novembro.

Os seis policiais que se dirigiram ao local adentram na residência junto com a família. Todos ficaram surpresos ao ver uma das portas do mobiliário abrir violentamente e oscilar com força por vários segundos. É então, quando de acordo com este fenômeno, quatro dos seis policiais decidem sair e ficar no portão do prédio.

Enquanto um dos policiais permanece na sala de jantar ao lado de Concepción Lázaro, o Inspetor José Negri e Máximo Gutierrez entram no quarto de Estephanie. Aparentemente, algo havia rasgado um Cristo da cruz de madeira em que estava preso e deixara a marca de três arranhões no cartaz em que o crucifixo estava pendurado. Por outro lado, o quarto tinha acesso a um terraço e enquanto eles estavam revisando o quarto, eles ouviram um estrondo no terraço, ao averiguar o terraço eles acabaram não encontrando nada ou ninguém.

O banheiro também é inspecionado pelo inspetor Negri, centro de todos os fenômenos de vozes, queda de temperatura e força estranha. Quando José Negri entrou, ele sentiu o cabelo ereto e, como um frio gelado atingiu os ossos, de acordo com suas próprias palavras: “Um resfriado que nunca antes senti”.

O resumo do que aconteceu no início desse endereço foi refletido em um relatório oficial da Polícia (imagens abaixo) que foi para os anais da história paranormal na Espanha.




A família Gutiérrez Lázaro acabou vendendo sua casa e finalmente encontrou a tão aguardada paz em uma nova casa.

Quando a equipe do programa de investigação Cuarto Milenio foi para esse novo endereço em 2005 para gravar a entrevista aos pais de Estephanie, houve uma série de vozes sussurrantes que se filtraram no áudio das câmeras. Uma das vozes disse: “No puedo“, outra correspondente a uma voz feminina ” déjala está tarada” e “ojo no hemos comenzado “.



Os inquilinos da antiga casa de Estephanie nunca notaram nada estranho nela.Mas o a questão é que o caso ganhou repercussão.











Com a Informação Lobo Gótico, Assombrado e Metro Jornal.

0 Comentários :

Postar um comentário