A União Econômica Euroasiática, que integra a Rússia, a Armênia, a Bielorrússia, o Cazaquistão e o Quirguistão, já esgotou suas possibilidades de crescimento e será obrigada a recuperar as relações com o G20 ou passar a ficar sob o controle da China como parte do BRICS+, opinam especialistas do Clube Valdai de Discussões Internacionais.
Segundo declarou um dos participantes do debate, Timofey Bordachev, da Escola Superior de Economia, é necessário fortalecer a Eurásia através de uma nova união entre a Europa e os países do espaço pós-soviético.
Por sua vez, Aleksandr Shokhin, diretor da União Russa de Empreendedores e Industriais, afirmou que ainda é cedo demais para propor uma união aos parceiros europeus ou à região da Ásia-Pacífico, pois primeiro é necessário demonstrar a sustentabilidade econômica da União Econômica Euroasiática e resolver os problemas internos da organização. Ele sublinhou que o volume de comércio com a Ásia corre o risco de cair drasticamente devido à reforma do comércio global proposta por Donald Trump.
Além disso, vários especialistas opinaram que os mercados em desenvolvimento poderiam participar da criação de uma plataforma de cooperação global, inclusive no âmbito do BRICS.
O economista principal do Banco Euroasiático de Desenvolvimento, Yaroslav Lisovolik, sublinhou a necessidade de atrair novos parceiros econômicos à organização, além de criar uma rede ampla de diferentes sistemas de integração.
Tatiana Valovaya, ministra da Integração e Macroeconomia da Comissão Econômica Euroasiática, por sua parte, indicou que, em vez de escolher entre a Europa e a Ásia, a Rússia tem que unir estas duas regiões.
"Anteriormente, pensávamos que era possível fazer isso através da energia, mas acabou sendo um tema sensível para os países da União europeia. Por outro lado, todos estão interessados no tema do transporte", ressaltou.
A ministra sublinhou que a União Econômica Euroasiática poderia se transformar em um "ponto de montagem" da nova união internacional. Além disso, propôs criar um "governo mundial", já que é impossível a continuação da integração da UEE.
 A ministra advertiu que, caso a Rússia perca a iniciativa de integrar a União Econômica Euroasiática no BRICS ou na Organização de Cooperação de Xangai, a "grande Eurásia" virará a "grande Ásia" em apenas 10 anos. Neste caso, será Pequim que tomará as decisões, explicou.
Falando do "governo mundial", Valovaya avançou que "gostaria que a União Econômica Euroasiática fosse integrada no G20".








Com a Informação Sputnik.

0 Comentários :

Postar um comentário