A União Europeia (UE) poderia enfrentar um influxo maciço de cerca de 10 milhões de refugiados da África nos próximos anos se não mudar sua política migratória, afirmou o presidente tcheco, Milos Zeman, em uma entrevista a um canal de TV local.
Zeman, conhecida por sua forte posição anti-imigração, mais uma vez criticou Bruxelas por suas diretrizes de migração em uma entrevista ao canal de televisão Barrandov, em Praga, na última quinta-feira.
"Se a União Europeia não atuar com coragem para fortalecer suas fronteiras externas, pelo que conversa constantemente, mas não faz nada, teremos 10 milhões de refugiados [da África] ao longo de vários anos", afirmou Zeman.
Ele disse ainda que o fluxo de refugiados de países muçulmanos representa uma ameaça para a cultura europeia.
"A cultura desses refugiados não é compatível com a cultura europeia, o que os próprios imigrantes entendem", afirmou. Zeman concordou sarcasticamente com a posição da chefe da política externa da UE, Federica Mogherini, de que o islamismo ocupa um lugar na cultura europeia, dizendo que o Islã definitivamente pertence à guerra com o Império Otomano.
Vozes dissonantes
O presidente tcheco sempre se opôs a aceitar refugiados na Europa. Ele disse que a "migração maciça de países africanos e outros países representa uma fuga de cérebros". Em vez de levá-los, Zeman sugeriu que a UE ofereça ajuda financeira aos Estados de onde os refugiados estão chegando.
Os sentimentos anti-imigração aparentemente estão aumentando na República Tcheca, já que os partidos de direita e eurocépticos lideraram as eleições parlamentares do país em outubro do ano passado. Em 2016, Zeman sugeriu deportar todos os migrantes econômicos, dizendo que existe "uma forte conexão entre a onda de migrantes e a onda jihadista".
A República Checa não é a única nação em rejeitar algumas políticas da UE em relação aos migrantes, com a Hungria e a Polônia expressando objeções semelhantes. As cotas encomendadas pela UE que obrigam os Estados membros do bloco a aceitar o número de refugiados por ordem de Bruxelas foram o principal ponto de disputa.
Em dezembro, em conjunto com a Hungria e a Polônia, Praga se recusou a contribuir para as cotas de reassentamento obrigatórias em meio à pressão da Comissão Europeia, com o trio afirmando desafiadoramente que está pronto para lutar em Bruxelas em tribunal. O primeiro-ministro tcheco, Andrej Babis, disse que "as quotas são absurdas e apenas incentivam a popularidade de partidos extremistas na Europa".



Com a Informação Sputnik.

0 Comentários :

Postar um comentário