Admita: você está no Facebook - se você não está nisso, você sabe, pelo menos, o que ele é. Plataformas como esta, chamadas de sites de redes sociais, vão e vêm ao longo dos anos. No entanto, apenas uma empresa - o Facebook - manteve o teste, crescendo de forma constante a cada ano que passa. Mas o que o Facebook tem que outras plataformas de redes sociais não? O psicólogo Simon McCarthy-Jones do Trinity College Dublin atribui o sucesso do site das redes sociais à sua capacidade de influenciar o comportamento de uma pessoa como a razão por trás disso.


Facebook, a plataforma de redes sociais criada por Mark Zuckerberg, começou como FaceMash em 2003, uma plataforma onde os estudantes de Harvard compararam duas fotos de estudantes e decidiram quem estava mais atraente das duas. O site rapidamente ganhou fama nas faculdades vizinhas, e a administração de Harvard encerrou a operação com base em uma violação da segurança e violação da privacidade individual. Enquanto as acusações contra Zuckerberg foram deixadas de lado, ele continuou a escrever um novo código para promover sua intenção de criar um site para conectar as pessoas da universidade. A partir daí, ele criou o Facebook, a principal plataforma de conectividade social do mundo e o site mais viciante de todos os tempos. Da moda da faculdade à sensação mundial, o Facebook é conhecido por manter centenas de milhões de usuários por décadas.

Ninguém questionou suas qualidades viciantes, mas muitas pessoas estão percebendo como a vida social mudou e, às vezes, não para melhor. Nos restaurantes, você pode ver pessoas olhando fixamente em suas telas do smartphone. Em vez de conversar fisicamente, os alunos escolhem comunicar-se através de atualizações e comentários de status. O vício de plataformas de redes sociais como essas tende a criar um vazio social no mundo físico e não é saudável. McCarthy-Jones explica que o Facebook está explorando uma armadilha psicológica humana, alimentada por nossa necessidade inerente de pertencer e desejar obter status social.

Os humanos não estão tão longe dos pombos. Na década de 1950, BF Skinner criou um estudo comportamental sobre pombos que pode estar relacionado ao comportamento humano. No estudo, ele condicionou os pombos a associarem um botão com a comida. Os resultados do estudo mostram que os pombos que receberam comida depois de bicar um botão, desenvolveram uma tendência a bicar o botão muito mais frequentemente, e um grupo secundário de pombos que recebeu comida apenas às vezes depois de bicar um botão, desenvolveu uma bicada muito mais frenética e compulsiva.

Zuckerberg entendeu essa lacuna e aplicou-a à psique humana. Ele criou uma plataforma on-line onde somos recompensados ​​por "pressionar um botão". Essa recompensa para nós, humanos, é a dopamina, desencadeada por todos os "likes" e comentários ao postar uma atualização de status na plataforma. Quanto mais "likes", uma atualização de status recebe, mais você cria atualizações de status. Os comentários mais positivos que você obtém de publicar uma imagem de si mesmo, mais você faz upload de fotos. Quando você não recebe nenhuma reação de sua "lista de amigos", a frustração assume o controle por não ser notado ou reconhecido; portanto, mais postagens são criadas como forma de ganhar atenção. Semelhante à maconha e à cocaína, o Facebook dispara e explora a dopamina, um neurotransmissor que controla os centros de recompensa e prazeres do nosso cérebro.
* Limite seu tempo de Facebook a 10 minutos por dia. Pode ser difícil no início, mas você pode fazer a redução progressiva - uma hora, para 30 minutos, para 10 minutos por dia.
* Para cada desejo de verificar as notificações do Facebook, faça uma flexão de braço. Desta forma, você vai sair do Facebook e ficar fisicamente apto ao mesmo tempo.
* Passe algum tempo com amigos no mundo real, saindo para encontros na cafeteria, ou simplesmente conversando com colegas de escritório na copa durante sua pausa.
* Antes de ir para a cama, mantenha seu telefone a uma curta distância de você. Se você usar seu telefone como um alarme, caminhar em direção a ele irá ajudá-lo a se levantar.

Assim como sair de um mau hábito, sair do Facebook leva tempo e muito esforço. No final, você achará que a felicidade não vem do Facebook, mas de experimentar a vida como ela deveria ser.



Com a Informação Nova Ordem.

0 Comentários :

Postar um comentário