05:18:00
0

A impactante foto mostra o vice-prefeito Ernst Kurt Lisso, sua esposa Renate Stephanie, na cadeira, e sua filha Regina depois do suicídio familiar por ingestão de cianeto na Prefeitura de Leipzig como forma de evitar a captura pela tropas dos EUA, em 18 de abril de 1945. Acontecia que, à medida que o Exército Vermelho e os Aliados Ocidentais se aproximavam, cada vez mais aumentavam os suicídios em Berlim. Milhares de alemães se suicidaram na primavera de 1945, em vez de enfrentar a ocupação e os abusos esperados por seus vencedores.

Os registros da época indicam que 3.881 pessoas se suicidaram em abril após a Batalha de Berlim, embora os números provavelmente sejam bem subestimados. Não obstante os motivos tenham sido amplamente explicados como o "medo da invasão russa", os suicídios também aconteceram nas áreas liberadas pelas tropas britânicas e americanas.


No dia 18 de abril de 1945, vários funcionários de Leipzig se suicidaram na sede da Câmara Municipal. O vice-prefeito de Leipzig, Ernst Lisso decidiu terminar sua vida, mas também com a de sua esposa e filha, quando os americanos pressionavam no passo da prefeitura.

A filha de Ernst tem uma braçadeira e presumivelmente foi parte da Cruz Vermelha Alemã. Em outra sala, o prefeito, sua esposa e filha também se mataram antes que as forças aliadas pudessem chegar ao local. Em ambos os casos, eles usaram cápsulas de cianeto.


Ao contrário do Japão, onde muitas pessoas também se mataram no final da guerra, o suicídio não estava incorporado na cultura alemã como uma resposta potencial a vergonha ou desonra. No entanto, milhares de pessoas sentiram que a vida não valia a pena se não estivessem sob a ordem nazista. Talvez as dificuldades esperadas e as privações da derrota, juntamente com as perdas familiares e pessoais durante a guerra, levaram muitas pessoas a tomar a fatal medida.

A Life Magazine informou que nos últimos dias da guerra, a grande compreensão da total derrota era demais para muitos alemães. Despojado das baionetas e das bombas que lhes deram poder, não podiam encarar seus conquistadores nem suas consciências. Estes encontraram a fuga mais rápida e segura em que os alemães chamam de "selbstmord" ("auto-assassinato").


Havia várias razões pelas quais alguns alemães decidiram acabar com a vida nos últimos meses da guerra. Primeiro, em 1945, a Propaganda Nazista criou medo entre algumas partes da população sobre a invasão militar iminente de seus países pelos soviéticos ou aliados ocidentais.

Os filmes de informação e propaganda do Ministério da Propaganda do Reich, comandado por Goebbels, repetidamente reprimiam as audiências sobre o motivo pela qual a Alemanha não devia se render, dizendo às pessoas que enfrentassem a ameaça de tortura, estupro e morte na derrota.

Em segundo lugar, muitos nazistas, que haviam sido doutrinados com lealdade inquestionável ao partido, também se sentiram obrigados a seguir o exemplo de Adolf Hitler, quando descobriram que o Führer havia tirado sua própria vida. Finalmente outros se mataram porque sabiam o que lhes aconteceria após a derrota.

Muitos proeminentes nazistas, seguidores nazistas e membros das forças armadas se suicidaram nos últimos dias da guerra. Outros se mataram depois de serem capturados. A lista inclui 8 dos 41 líderes regionais do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães que ocuparam cargos entre 1926 e 1945, 7 dos 47 maiores líderes da SS e da polícia, 53 dos 554 generais do exército, 14 dos 98 generais da Luftwaffe, 11 dos 53 almirantes no Kriegsmarine, e um número desconhecido de funcionários com cargo menor.





Com a Informação Mdig.

0 Comentários :

Postar um comentário