03:58:00
0

O povo lagarto morava sob a cidade e o fizeram  por mais de 5.000 anos. Eles eram uma raça avançada. A história diz que eles têm placas de ouro com as origens da civilização humana esculpidas neles e riquezas muito imensas para serem calculadas, apenas esperando por sua descoberta.

O povo lagarto é tecnologicamente avançado e relacionado aos maias

Acredita-se que a raça superior do povo lagarto esteja relacionada aos maias que fugiram de uma chuva de meteoro catastrófica e criaram comunidades ao longo da costa do Pacífico, uma das quais estava localizada em Los Angeles. O povo lagarto seria tecnologicamente e intelectualmente avançado e teria usado químicos misteriosos para cavar uma enorme rede de 285 túneis. Acredita-se que todos os túneis estavam equipados com câmaras enormes, muitas das quais grandes o suficiente para abrigar até 1.000 famílias . As famílias viveram da água e da comida que era colocada nos túneis pela tribo.
A história do povo lagarto vem de um mito contado pelos índios Hopi e, mais especificamente, um membro da tribo com o nome da Chefe Folha Verde. O conto foi supostamente relatado a George Warren Shufelt, um engenheiro de mineração, em 1933. Shufelt estava atrás de uma invenção que ele chamou a máquina de raios-X de rádio, e ele disse que poderia detectar túneis no subsolo. Houve também a promessa de um mapa feito em pele de carneiro, que acredita-se  estar nas mãos dos caçadores de tesouros e, em 1933, o conto era o equivalente a algo viral hoje.

LA Times e a Associated Press ajudaram a espalhar a história do povo lagarto

O jornal Los Angeles Times publicou a história da procura de Shufelt pelo tesouro dourado pertencente ao povo lagarto, e a Associated Press espalhou o conto em todo os EUA. Foi dito que a cidade subterrânea, no formato de lagarto, ia desde o Parque Elysian até a cauda, que é a Biblioteca Central hoje.
Shufelt afirmou ter encontrado a localização exata dos 1.900 pés quadrados de túneis, juntamente com salas que tinham 9.000 pés de espaço e 16 salas em que o ouro estava armazenado, e ele achou isso usando sua máquina de raios-X. Ele começou a criar um mapa de todas as passagens sob a superfície de Fort Moore Hill. Ele também recebeu permissão do Conselho de Supervisores do Condado para iniciar uma escavação na Rua North Hill durante a depressão, e isso foi observado por muitas pessoas. Os relatos do jornal eram especulativos e diziam que o tesouro enterrado era composto de ouro espanhol que havia sido colocado lá durante o período colonial, e que a equipe achava que estavam prontos para recuperá-lo quando 28 pés (8,5 metros) do poço foram afundados.

Shufelt cavou 250 pés (76 metros) para baixo, mas não encontrou tesouros de túneis

Um acordo foi feito por Shufelt, juntamente com o resto de sua equipe, que seria dividido 50-50 com o condado. A escavação foi abrandada por muitos desafios, inclusive lama e pedras densas. Havia alguns especialistas que afirmaram que a escavação teria que descer cerca de 1.000 pés (300 metros). Shufelt conseguiu descer cerca de 250 pés (76 metros), mas ele não encontrou túneis ou tesouros.
Uma vez que o inverno se tornou primavera, a escavação foi interrompida devido a falta de dinheiro e lentamente as histórias dos túneis e tesouros pararam.
G. Warren, que é o nome que ele adotou durante a busca pela cidade de lagartos, permaneceu em Los Angeles e morou em North Hollywood , onde, em novembro de 1957, morreu e deixou uma história que ainda é discutida hoje, juntamente com um mapa.


Ovni Hoje.

0 comentários :

Postar um comentário