13:20:00
0

Durante mais de 50 anos, serviu como prisão, mas hoje é apenas um complexo governamental, onde, se diz que muitas coisas estranhas acontecem, o que levou os habitantes da Cidade do México a considerar o local assombrado.

Porfirio Díaz mandou construír um "inferno" para quem não cumprisse a lei. Era uma prisão conhecida como o Palácio de Lecumberri , inaugurada em 29 de setembro de 1900 na Cidade do México.

Uma prisão que abrigaria menos de 800 pessoas, mas que ficou fora do controle e chegou a ter até 5.000 prisioneiros, incluindo Francisco Villa , Francisco I, Madero , Pino Suárez, José María Revueltas , Alfaro Siqueiros, Demetrio Valle entre outros.


Levou treze anos para ser construida e agora guarda o Arquivo Geral da Nação. O Palácio Negro, como é conhecido, é foco de atenção porque se diz que alí ocorreram as maiores injustiças. Milhares e milhares foram presos, muitos deles inocentes, foram agredidos, denegridos e até mesmo mortos naquele lugar obscuro.

Anos se passaram, mas a história ainda conta, e não apenas a oficial , mas uma que vai além do compreensível, se diz que o Palácio Negro de Lecumberri está cheio de fantasmas que não hesitam quando se trata de serem notados.


De acordo com yahoo.com, vários trabalhadores relatam ter tido encontros paranormais. Quando o edifício foi remodelado, ossos humanos foram encontrados enterrados perto das saídas. Mas isso não é surpreendente, a menos que seja acompanhado por ruídos e acontecimentos misteriosos.

São poucos os que trabalharam na área mais de 20 anos, e eles garantem que coisas estranhas acontecem ali.

A história de um "Cavaleiro Negro" é uma das mais famosas, se diz que aparece no auditório do Palácio, e que quando está perto são ouvidos gritos, lamentos, e ruídos estranhos.


Há um caso específico e que chama a atenção, o de Dom Jacinto. Um trabalhador do turno da noite, que estava limpando o local , um dia encontrou um homem muito magro que ia caminhando até ele; quando ele estava perto, perguntou o que ele estava fazendo lá naquela hora da noite , - " de novo não veio minha Amelia ", disse o homem que, em um momento de distração desapareceu.

O empregado, dada a incerteza , decidiu que era necessário investigar quem era. Quando o fez, ele descobriu que era D. Jacinto, um homem que havia sido preso em Lecumberri nos anos quarenta, e havia morrido lá.

As histórias começaram há muitos anos atrás, quando os prisioneiros falavam com suas famílias sobre o "inferno" que estavam vivendo em Lecumberri, daí o apelido de negro. Mas as histórias não pararam quando a prisão fechou em 27 de agosto de 1976.


Desde então, as perguntas são dirigidas a todos aqueles que por algum motivo ou outro tem que passar várias horas no Palácio Negro.

Hoje abriga o Arquivo Geral da Nação (AGN ). O AGN é um dos mais antigos arquivos históricos da América, e é uma fonte inesgotável para a pesquisa histórica e para várias disciplinas.



Arquivos do Insólito.

0 comentários :

Postar um comentário