09:47:00
0

Uma nova partícula constituída de três quarks, os menores elementos básicos da matéria conhecidos, foi descoberta no Grande Colisor de Hádrons (LHC), anunciou nesta quinta-feira a Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (Cern).
— Trata-se de uma partícula muito pesada e instável — explica Matthew Charles, do Laboratório de Física Nuclear e de Alta Energia (LPNHE) da Universidade Pierre-et-Marie-Curie, que participou da pesquisa, em entrevista à AFP.
Esta nova partícula, batizada de "Xicc++", pertence à família dos bárions e é constituída de dois quarks charm e um quark up. Praticamente toda a matéria que vemos à nossa volta é feita de bárions, cujos representantes mais famosos são os prótons e nêutrons.
Uma vez que existem seis tipos de quarks (up, down, strange, charm, bottom e top), existem muitos tipos de bárions. A partícula "Xi cc ++" com estes dois quark charm (quarks pesados) era prevista pela teoria, mas até agora nunca havia sido observada.
— Esta observação é uma validação dos cálculos baseados no Modelo Padrão — ressalta Charles.
O "Modelo Padrão", desenvolvido no início de 1970, integra o conhecimento atual sobre partículas e forças fundamentais. Mas não explica a existência da matéria escura e energia escura, que juntos formam 95% do Universo.
Este modelo também não permite compreender a gravidade ou a teoria geral da relatividade enunciada por Einstein. Os cientistas procuram, portanto, uma brecha nesta teoria e, para isso, quanto mais partículas conhecidas, mais podem testá-las.
A existência desta nova partícula foi demonstrada através de experimentos realizados no grande acelerador de partículas LHC, situado na fronteira entre a Suíça e a França.
— Para produzir essas partículas, é preciso colisões de alta energia, de um acelerador de partículas como o LHC — diz Matthew Charles.
O LHC permitiu descobrir em 2012 o famoso bóson de Higgs, considerado pelos físicos como a pedra angular da estrutura fundamental da matéria, a partícula elementar que confere massa a uma sua série de outras.

AFP.

0 Comentários :

Postar um comentário