04:55:00
0

Na margem sudoeste do Lago Titicaca, no Peru, existe uma antiga porta de 7 metros, conhecida como Aramu Muru. Os nativos locais a chamam de “Puerta de Hayu Marca“, a porta de entrada para as terras dos deuses e a vida imortal. Ao longo de sua história, os nativos descreveram as pessoas desaparecendo e aparecendo nesta porta.


Em 1998, o suposto contatado extraterrestre Jerry Wills disse que um humanoide loiro alto chamado Zo o ensinou como acessar Aramu Muru e entrar em “outro universo”. Wills afirmou ainda que Zo mostrou-lhe como nosso universo é uma simulação experimental, dentro do universo de sua espécie. Eles o construíram para entender sua própria realidade, que é aninhada dentro de um universo maior.
No ano seguinte, em 1999, o filme de ficção científica campeão de bilheteria, Matrix foi lançado e para sempre ficou em nosso subconsciente coletivo a ideia de que nossa existência é uma simulação criada por uma raça de seres mais avançados…
Alguns anos após o lançamento do Matrix, o filósofo Nick Bostrom publicou o Simulation Argument, um artigo conciso intitulado  “Are You Living in a Computer Simulation?” (Você Está Vivendo Numa Simulação de Computador?) Isto apresentou um “trilema”, uma quebra matemática do porquê  que pelo menos um dos três cenários provocadores deva ser verdadeiro.

(1) é muito provável que a espécie humana se extinga antes de atingir um estágio “pós-humano”; (2) qualquer civilização pós-humana é extremamente improvável que execute um número significativo de simulações de sua história evolutiva (ou suas variações); (3) quase certamente vivemos em uma simulação computacional. Segue-se que a crença de que a existência de uma chance significativa de que um dia nos tornemos pós-humanos que executam simulações de antepassados ​​seja falsa, a menos que atualmente estivermos vivendo em uma simulação”.
A “civilização pós-humana” a que Bostrom se refere define um período de tempo após o qual os seres humanos se fundiram com a tecnologia. Isso às vezes é referido como pós-singularidade, com a “Singularidade” descrevendo a designação do futurista Ray Kurzweil de uma sociedade na qual os seres humanos são pós-biológicos, vivendo sinergicamente com a inteligência artificial.

O Argumento da Simulação pressupõe o desenvolvimento desta civilização pós-humana, que a partir deste ponto, declara Bostrom, humanos avançados podem desenvolver simulações do passado da mesma maneira que os cientistas atuais criam ambientes de teste. Algumas das simulações provavelmente seriam por motivos de entretenimento, bem como, da mesma forma que os humanos atualmente criam videogames e filmes.
Nos últimos anos, uma série de pessoas de alto perfil declararam sua crença de que estamos vivendo em uma simulação. O principal deles é o magnata tecnológico Elon Musk, o qual afirmou que o videogame No Man’s Sky confirmou sua crença de que algumas simulações um dia se aproximarão da realidade de forma tão completa, que serão indistinguíveis da realidade. Aparentemente, ele estava sentado num spa com os amigos quando finalmente se converteu.
Musk é o CEO e os cérebro por detrás da Tesla, SpaceX, Neuralink e OpenAI. Nos últimos anos, ele expressou planos audaciosos para suas empresas, acreditando em avançar a raça humana: com a Tesla, ele quer liderar uma infra-estrutura de transporte que não depende da queima de hidrocarbonetos; com o a SpaceX, ele quer auxiliar na migração extraplanetária gradual da humanidade para Marte; e com a Neuralink e a OpenAI, ele quer facilitar a fusão da humanidade com a tecnologia da informação avançada.
Quando lhe perguntaram se os seres humanos estão vivendo dentro de uma simulação de computador, Musk fez manchetes no ano passado, dizendo que ele acha que as chances são de uma em bilhões de que não estamos.
Ele afirmou:
O argumento mais forte para nós provavelmente estarmos em  uma simulação, eu acho que é o seguinte: 40 anos atrás, tínhamos Pong – dois retângulos e um ponto. Foi lá que estávamos. Agora, 40 anos depois, temos simulações fotorrealistas, em 3D, com milhões de pessoas jogando simultaneamente e melhorando todos os anos. E logo teremos realidade virtual, teremos a realidade aumentada. Se você presumir qualquer taxa de melhoria, os jogos tornar-se-ão indistinguíveis da realidade, simplesmente indistinguíveis.
Aqui Musk está se referindo ao crescimento exponencial da tecnologia, o alicerce da teoria da Singularidade. Se em 40 anos passamos do Pong bidimensional para a cúspide da realidade aumentada e virtual, imagine onde estaremos em outros quarenta, ou cem, ou 400. Desde que a raça humana sobreviva, pode-se presumir que nós alcançaremos a capacidade de produzir simulações com seres conscientes. Já o Departamento de Defesa dos Estados Unidos criou a Sentient World Simulation, um espelho sintético em tempo real do mundo real com calibração contínua automatizada em relação à informação atual do mundo real, tais como grandes eventos, pesquisas de opinião, estatísticas demográficas, relatórios econômicos e mudanças nas tendências, de acordo com um documento de trabalho sobre o sistema.
Nos últimos anos, outros cientistas realizaram pesquisas e até experiências, tentando mostrar evidências reais da simulação. As pessoas ficaram impressionadas no ano passado, quando o físico teórico S. James Gate anunciou que havia encontrado um código de computador estranho em sua pesquisa na Teoria das Cordas. Embutido dentro das equações que usamos para descrever nosso universo, ele diz, está um peculiar código de bloco de correção binária linear auto-dual.
Uma equipe de físicos alemães também tentou mostrar que as restrições numéricas que vemos em nosso universo são consistentes com os tipos de limitações que veríamos em um universo simulado. Esses físicos invocaram uma abordagem ‘não perturbativa’ conhecida como cromodinâmica quântica em cadeia, para tentarem descobrir se existe uma grade subjacente ao continuo espaço-tempo.
Até agora, seus esforços recriaram uma região minúscula do universo conhecido, um pedaço de um canto que é apenas alguns femtômetros. Mas este canto simula a estrutura hipotética da rede universal, e a busca de uma restrição física correspondente elevou um limite superior teórico em partículas de alta energia conhecidas como Greisen-Zatsepin-Kuzmin . Em outras palavras, existem aspectos do nosso universo que se parecem e se comportam como uma simulação.
Com a notícia de que há dois bilionários tecnológicos anônimos que trabalham em um projeto secreto para nos separar da Matrix, é difícil saber se devemos rir ou sair gritando horrorizados. A conversa de simulação é uma grande diversão epistemológica e diversão metafísica da mais alta ordem, mas pode contar com uma ansiedade subjacente em relação à fusão da nossa realidade com as máquinas, ou uma solidão existencial básica. Ela até foi postulado como uma solução para o Paradoxo Fermi. Por que não conhecemos alienígenas? Bem, porque vivemos dentro de um mundo que eles construíram.
Nossa terra está abandonada em um vazio cósmico tão grande que levaria ao nosso atual sistema de propulsão, Deep Space I, impressionantes 81.000 anos para alcançar a estrela mais próxima – em uma galáxia de centenas de bilhões de estrelas, que é, em si, apenas uma das centenas de bilhões de galáxias. O pensamento de que é tudo 1s e 0s renderizados por um microprocessador futurista é filosoficamente sexy, mas, talvez, sociologicamente preguiçoso.
Que há ansiedade sobre a produção de realidade em uma sociedade obcecada com o prazer simulado e a experiência mediada não é surpreendente. É a expressão final, embora talvez acidental, de resistência a uma cultura imersa em consumismo e crescimento artificial.


Ovni Hoje.

0 Comentários :

Postar um comentário