03:55:00
0

Já publicamos o ponto de vista de várias pessoas influentes, de que estaríamos vivendo numa grande simulação de realidade, gerada por uma poderosíssimo computador, possivelmente por uma civilização extraterrestre super-avançada. 

Agora, uma física apresenta seu ponto de vista, contrária à esta teste. Veja:

Se nos últimos 12 meses você sente que está preso na versão beta de alguma simulação gigante, estamos aqui com você…

Mas, apesar do que Elon Musk diz, a quantidade de estranhezas que experimentamos ultimamente é apenas o caminho do Universo, diz a física teórica de Harvard, Lisa Randall, que uma vez descreveu a probabilidade de estarmos vivendo em um video game gigante do futuro como sendo “efetivamente zero”.

Se você não está familiarizado com a hipótese da simulação, baseia-se em um artigo de 2003 do filósofo sueco Nick Bostrom da Universidade de Oxford, o qual argumentou que pelo menos uma das seguintes proposições deve ser verdadeira:

É muito provável que as espécies humanas se extinguam antes de atingirem um estágio “pós-humano”;
Qualquer civilização pós-humana é extremamente improvável de executar um número significativo de simulações de sua história evolutiva (ou suas variações);
Estamos quase certamente vivendo em uma simulação de computador.
Esse estágio “pós-humano” que Bostrom está falando refere-se à probabilidade de que, em algum momento do futuro, nossa tecnologia seja tão avançada que um único computador poderia simular toda a história mental da humanidade, usando menos de um milionésimo de seu poder de processamento por um segundo.

Agora imagine que uma civilização pós-humana no futuro distante consiga construir uma rede maciça dessas “simulações de ancestrais”, nas quais poderíamos carregar réplicas das mentes de nossos antepassados ​​para jogar suas vidas em um programa de computador gigante.

Presumindo que essas mentes tinham uma “consciência” – algo que os cientistas já consideravam recentemente – elas realmente exigiriam algo parecido com os direitos humanos, de modo que  não seriam algum tipo de raça robótica de escravos. Mas isso está começando a parecer muito com a nossa situação…

Em poucas palavras, Bostrom propôs que os humanos quase certamente morrerão antes mesmo de qualquer coisa acontecer (obrigado, mudança climática); nenhuma civilização avançada na história do Universo continha indivíduos com os meios para construir simulações ancestrais; ou quase certamente vivemos em uma simulação.

No ano passado, Elon Musk revelou crer na hipótese da simulação, argumentando que “as chances de estarmos numa realidade básica são de uma em bilhões”.

E, puxa vida, faz sentido quando você está passando por momentos estranhos como esses, que algo diferente da “realidade básica” esteja em ocorrendo.

Mas Lisa Randall está aqui para arruinar toda a nossa diversão, porque quando Corinne Purtill, da Quartz, perguntou a ela se o que tem ocorrido a fez repensar sua posição anti-simulação, a resposta foi não, e nem mesmo um pouco. Ela disse:

Neste ponto, não podemos provar que vivemos ou não em uma simulação. Mais ao ponto, não há motivos para acreditar nisso.

No entanto, podemos ter certeza de que as pessoas farão coisas incríveis e também irão fazer erros de maneiras espetaculares.

Em um debate público no ano passado, moderado por Neil deGrasse Tyson, Lisa Randall aproveitou o argumento da probabilidade colocado por Elon Musk como uma das maiores razões pelas quais a hipótese da simulação não faz sentido,dizendo:

Parte do problema é que as probabilidades têm que ter um significado bem definido ou só são úteis quando têm um significado bem definido. Portanto, entre todos os cenários possíveis, podemos realmente dizer qual é mais ou menos provável.

Quando nos deparamos com infinitos … isto deixa de fazer sentido. Quero dizer, eu poderia dizer que é realmente provável que eu seja chinesa, porque há muitos mais chineses do que americanos. Mas claramente eu não sou chinesa. Assim, as probabilidades são complicadas e você deve ter cuidado com o que você quer dizer quando está dizendo isso.

Randall acrescentou que é incrivelmente egoísta para nós presumirmos que uma civilização altamente avançada construiria simulações que se pareçam conosco, e o argumento de probabilidade só funciona se inúmeras civilizações alienígenas veem a espécie humana como algo que valeria a pena simular. Ela declarou:

Não se baseia em probabilidades bem definidas. O argumento diz que você teria muitas coisas que nos simulariam. Na verdade eu tenho um problema com isso.

Estamos principalmente interessados ​​em nós mesmos. Eu não sei por que essa espécie mais alta quer nos simular.

Caso encerrado? Randall pensa assim, mas ainda há alguns que defendem a simulação, inclusive o cosmólogo Max Tegmark do MIT, que argumentou:

Se eu fosse um personagem em um jogo de computador, também descobriria que as regras pareciam completamente rígidas e matemáticas.

E isso soa muito como as leis da física, como James Gates, físico teórico da Universidade de Maryland, apontou:

Na minha pesquisa, encontrei essa coisa muito estranha. Fui conduzido a códigos de correção de erros – eles são o que fazem os navegadores funcionarem. Então, por que eles estavam nas equações que eu estava estudando sobre quarks e elétrons e supersimetria? Isso me levou ao uma rápida percepção de que eu não podia mais dizer que as pessoas como Max são loucas.

Seria bom culpar toda a estranheza recente em um erro na simulação, mas Randall diz que estamos melhores com explicações mais realistas para os mistérios do mundo, em vez de culparmos tudo em um programa de computador gigante.





Ovni Hoje.

0 comentários :

Postar um comentário