02:31:00
0

Os Estados Unidos voltaram a advertir a Rússia, nesta terça-feira (14), que seu governo viola desde 2014 um tratado que proíbe os mísseis de alcance médio, depois de a imprensa americana ter informado que Moscou teria deslocado esse tipo de arma secretamente.

Segundo o jornal The New York Times, que cita funcionários de alto escalão do governo americano, a Rússia mobilizou esse míssil, sobretudo, no sudeste do país. A ação seria uma violação do tratado sobre as Forças Nucleares Intermediárias (FNI), firmado em 8 de dezembro de 1987, entre a então União Soviética e os Estados Unidos. Esse acordo teria contribuído para o fim da Guerra Fria.

Em 2014, Washington já havia alertado Moscou após um teste de míssil de cruzeiro terrestre, uma arma proibida pelo tratado FNI. Em resposta, em 2015, o Pentágono disse estar disposto a enviar novos mísseis para a Europa.

Interrogado pela AFP, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Mark Toner, negou-se - como é habitual - a "comentar temas ligados à Inteligência [militar]".

Toner destacou, porém, que os EUA "levam a sério seus compromissos internacionais e suas obrigações em matéria de controle de armamentos".

Ele se referiu a um informe americano de 2016 que acusa "a Federação Russa de continuar violando o tratado FNI, o qual a obriga a não possuir, produzir, ou testar em voo um míssil de cruzeiro de alcance de 500 a 5.500 km".

"Estamos muito certamente preocupados com as violações russas, com os perigos que representam para a segurança da Europa e da Ásia, e desejamos vivamente que a Rússia se atenha novamente a esse tratado", declarou Toner.

Em 2014, Moscou já havia indicado que as acusações americanas eram "infundadas".







AFP.

0 Comentários :

Postar um comentário