10:29:00
0

Nas águas do Mar do Sul da China entrou o grupo de porta-aviões da Marinha dos Estados Unidos, liderado pelo porta-aviões USS Carl Vinson, da classe Nimitz. Os navios norte-americanos irão realizar "operações de rotina" e ainda não se sabe se os navios vão atravessar as águas em torno das ilhas artificiais da China.
Enquanto isso, em uma coletiva de imprensa na terça-feira (21), o representante do Ministério das Relações Exteriores da China Geng Shuang disse que a China respeita a liberdade de navegação no mar do Sul da China, garantida pelo direito internacional, mas se opõe fortemente às tentativas de ameaçar a soberania dos países da região, incluindo a China.
O especialista do Centro para a Investigação Estratégica Anton Tsvetov disse à Sputnik China como a presença do porta-aviões Carl Vinson irá afetar a situação na região e as relações sino-americanas.
O comandante do grupo de porta-aviões norte-americano assinalou apenas que ele tenciona demonstrar a eficácia e prontidão de combate das unidades, ao mesmo tempo "fortalecendo as fortes relações existentes com aliados, parceiros e amigos na região do Índico e Pacífico". No entanto, aqueles que seguem regularmente os acontecimentos no mar do Sul da China sabem que as tensões provocadas pelas disputas territoriais pelas Ilhas Spratly e Paracel variam como as estações do ano. No inverno, aqui está geralmente mais ou menos calmo, mas o momento mais perigoso é a primavera e o verão. Fevereiro está chegando ao fim, o inverno está em declínio, e no mar do Sul da China reaparecem razões para a escalada.
Fortalecer as relações com os "aliados, parceiros e amigos" na Ásia agora é extremamente importante para os Estados Unido. Os sinais confusos de Washington criaram na região uma grande incerteza sobre o futuro da política dos EUA. A recente visita do secretário da Defesa James Mattis ao Japão e à Coreia do Sul pretendia animar os aliados. Mattis delineou em seus discursos a política dos EUA no mar do Sul da China aproximadamente nas mesmas categorias que a administração anterior — os EUA vão continuar usando o direito à liberdade de navegação nessa área.
No entanto, nos bastidores o chefe do Departamento de Defesa dos EUA aludiu a algo mais. Desde 2015, a Marinha dos EUA realizou quatro operações usando a liberdade de navegação. A reação dura de Pequim forçou a liderança política dos EUA a usar esta ferramenta com mais cuidado apesar dos apelos dos militares. Parece que agora se pode esperar que eles apelem a Donald Trump, que poderá aprovar a ativação de tais operações.
Tudo isso poderia parecer uma escalada por parte de Washington se Pequim não desse motivos para isso, aparentemente testando a solidez do novo presidente americano. Em primeiro lugar, na sexta-feira — um dia antes da entrada nas águas no mar do Sul da China do porta-aviões dos EUA — daqui saiu o Liaoning chinês, que esteve realizando exercícios em grande escala. Em segundo lugar, foram divulgados os novos trabalhos em grande escala para construir uma infraestrutura militar da China nas Ilhas Paracel.
Finalmente, a terceira nota do acorde preocupante dos últimos dias foi a publicação do projeto chinês de alteração da lei sobre a segurança dos transportes no mar. O documento obriga os navios militares estrangeiros passarem pelas águas que a China considera como suas somente acompanhados por navios de guerra chineses. Além disso, a China será capaz de fechar algumas zonas das águas por iniciativa própria ou mesmo fechar o acesso ao "mar sob sua jurisdição".
Por outras palavras, os EUA e a China estão tentando encontrar novos limites do que é permitido, as novas "linhas vermelhas". Durante a presidência de Barack Obama foram traçadas algumas "linhas vermelhas" informais, que as partes tentavam não ultrapassar. Com o novo presidente norte-americano há condições para a revisão das "condições do acordo", além do mais, o novo ponto de equilíbrio no mar do Sul da China será determinado pela linha de Trump na questão coreana, pelo grau de apoio ao Japão e pela política comercial da nova administração.
Como muitas vezes acontece, as vítimas deste processo podem ser os pequenos países da Ásia Oriental. O especialista russo Aleksandr Gabuev observou acertadamente que é pouco provável que as novas regras para a passagem de navios militares através das águas chinesas impeçam a Marinha dos EUA, mas para os navios vietnamitas e filipinos isso já não será fácil. Portanto, o risco principal neste jogo das grandes potências é o motim dos pequenos que, não vendo respeito pelos seus interesses, intencionalmente ou não, podem avançar para o agravamento da situação.





Sputnik.

0 comentários :

Postar um comentário