19:16:00
0
O asteroide WF9 tem cerca de 1km de largura e poderia, em um impacto, destruir a vida na Terra.

Segundo Zakharovich, a Terra será destruída em fevereiro de 2017 em uma colisão com o asteroide 2016WF9 que se aproxima do planeta


O objeto espacial, descoberto pelos cientistas em 2016, ameaça a Terra e pode provocar o fim do mundo. Faltam apenas 15 dias para o cataclisma, segundo o astrônomo russo Dyomin Damir Zakharovich . A NASA, por sua vez, refuta a informação.
Segundo Zakharovich, a Terra será destruída em fevereiro de 2017 em uma colisão com o asteroide 2016WF9 que se aproxima do planeta. Antes restrita a sites sensacionalistas, as informações agora foram divulgadas no jornal britânico The Daily Mail, citando uma teoria da conspiração.

Asteroide ou cometa?


Segundo os jornalistas, a colisão terá lugar em 16 de fevereiro e vai provocar um enorme tsunami. As ondas gigantes causarão o fim do mundo, dizem.
O objeto celeste, batizado de 2016WF9, foi descoberto no ano passado. Os cientistas ainda não determinaram se se trata de um asteroide ou um cometa sem nuvem de poeira.
O diâmetro deste objeto é de um quilômetro de largura. Segundo o especialista citado pela Daily Mail, o corpo celeste veio do sistema de Nibiru. Trata-se de um planeta hipotético do Sistema solar, cuja existência ainda não foi provada.

Muito distante

O asteroide, de fato, existe. O projeto NeoWise, da Nasa, o identifica como um objeto com uma órbita entre o Sol e Júpiter, a cada cinco anos. Ao longo deste período, ele traça uma elipse próxima, em escalas universais, da Terra. Mas, segundo a agência espacial norte-americana, o WF9 passará a cerca de 15 milhões de quilômetros do planeta.
“A trajetória do WF9 é bem definida e o objeto não é, de forma alguma, uma ameaça sequer em um futuro muito distante”, afirma a Nasa, no site do Jet Propulsion Laboratory’s (JPL).
Apesar do fato de a NASA ter afirmado que o objeto não ameaça a Terra, o analista do The Daily Mail segue convencido que os funcionários da NASA estão dissimulando a verdade.




Correio do Brasil.

0 Comentários :

Postar um comentário