09:38:00
0

Crateras extraordinárias gigantes de alguns quilômetros de comprimento, que recentemente foram encontradas na Antártida, não surgiram devido à queda de asteroides no passado, mas resultaram do acúmulo de águas em estado líquido na superfície de geleiras em algumas partes do continente, diz-se no artigo, publicado na revista Nature Climate Change.

"Em janeiro de 2015, todas as mídias começaram a informar sobre o descobrimento de uma cratera misteriosa na terra do rei Balduíno, no leste da Antártida, que, como informado pelos jornalistas, provavelmente teria sido resultado da queda de um meteorito. Quando vi as imagens da estrutura, imediatamente ficou claro que o fenômeno está ligado ao acúmulo de água em estado líquido, ao invés da queda de um corpo celeste", declarou Jan Lenaerts da Universidade Católica de Leuven (Bélgica).
 
Nos últimos anos, os climatologistas começaram a dar mais atenção ao descongelamento da calota do Polo Sul, que até recentemente era considerada estável. As observações de satélites e de aviões provam que na verdade não é bem assim — as camadas de gelo na zona oeste da Antártida estão descongelando, rachando-se e destruindo-se, por isso o leste da Antártida, região considerada inacessível, encontra-se em risco de desaparecimento rápido.

Lenaerts e seus colegas desvendaram por que os escudos de gelo orientais na Antártida estão descongelando mais rapidamente que os modelos e cálculos climáticos previstos, através do estudo da cratera misteriosa de três quilômetros, descoberta na geleira do rei Balduíno, em janeiro de 2015, por um avião geodésico do Instituto de Alfred Wegener, organização norte-americana oceanográfica.
 
Depois de um ano de sua descoberta, os autores do artigo visitaram a cratera, mediram a sua profundidade e analisaram todos os detalhes, descobrindo que, na realidade, o surgimento da cratera se deu não pela queda de um meteorito, mas devido à submersão da água em estado líquido de um lago, que até então se encontrava abaixo da camada de gelo, traçando o caminho até o oceano.

Toda a água desse lago, como revela a investigação de suas "margens", escorreu para o oceano antes de a cratera ser fotografada pelo avião, causando confusão entre os cientistas. A descoberta do grande lago levou à análise das imagens pelos cientistas, tiradas pelas sondas Terra e Aqua. Revelou-se que há 55 estruturas parecidas, ocultadas sob neves e gelos, perto dessa "cratera".
 
O seu descobrimento foi uma surpresa para os autores do artigo, impulsionando-os a buscar explicações através da análise de todos os processos, que estão acontecendo no leste da Antártida, com a ajuda do modelo climático da região construído por eles.







Sputnik.

0 Comentários :

Postar um comentário